Garanhuns, 30 de junho de 2007
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

CONFISSÕES DE UM ASSESSOR PARLAMENTAR

Luzinete Laporte


Desde 1978, sou funcionário parlamentar. Meu papel é ajudar os eleitos pela nação a fazerem suas escolhas políticas ao longo de suas legislaturas, fornecendo-lhes assistência técnica sobre questões muitas vezes complexas.

A partir de 1999, uni-me ao Serviço Pastoral de Estudos Políticos, cuja aequipe oferece aos atores políticos, essencialmente aos deputados e senadores, uma presença de acolhimento e escuta. Em um caso ou outro, estou pois a serviço dos parlamentares qualquer que seja seu partido ou confissão religiosa.

Tudo em absoluto sigilo.

Serviço e descrição.

Às vezes acompanho colegas ou deputados quando um deles ou de seus próximos morrem. Nesses momentos, quando todos se unem para rezar em torno de seus mortos, experimento com mais acuidade quanto a graça pode queimar o que em nós há de mediocridade e fraquezas. Fraquezas que não poupam, com certeza, os políticos. Nem todos aqueles que, como eu - porque eles são próximos dos círculos do poder são tentados a ter um ego inflado.

Neste meio onde, mais do que nunca, a fé não passa de um caso/dado sociológico mais do que um dom de Deus, busco teu olhar como o do Cristo sobre o "jovem rico". Um olhar que ama, convida, interroga e perdoa a todos. Principalmente sobre aqueles que são "ricos" do seu poder financeiro ou político para os quais sou enviado especialmente.

Sou, porém, consciente dos meus limites. Muitas vezes, sem dúvida, meu olhar é duro, contra minha vontade, e minha palavra incisiva. Tenho consciência disso e procuro corrigir-me, abrindo-me à graça vinda do Alto. A graça que é serviço e descrição.

Ofereço àqueles que têm fé e crêem no homem, nos políticos, as confissões de alguém que vivendo sua fé, é capaz de oferecer, no silêncio, conforto, conhecimento político e cultural aos parlamentares que o procurem.


Luzinete Laporte é escritora, ensinou muitos anos nos colégios Diocesano e Santa Sofia, foi Secretária de Educação do Município e diretora da antiga Dere.