Garanhuns, 16 de junho de 2007
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Garanhuns luta pelo CEFET

Numa iniciativa da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Município, foi realizada no início da semana, no auditório da AESGA, uma palestra com o diretor do Centro Federal de Educação Tecnológica de Pernambuco (CEFET-PE), Sérgio Gaudêncio. Na oportunidade, ele apresentou em detalhes como funciona o sistema de centros profissionalizantes do Governo Federal.

Estava presente ao evento o prefeito Luiz Carlos de Oliveira, secretários municipais, políticos, empresários, professores, diretores de faculdades, parte da imprensa local e demais interessados na implantação de um CEFET em Garanhuns. "A sociedade foi representada na reunião por dirigentes de órgãos governamentais e entidades de classe, registrou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Alexandre Marinho.

No entender do secretário, a prioridade no momento é trabalhar para que, em 2008, Garanhuns possa vir a contar com uma Escola Técnica Federal. Ele informou que mais quatro cidades do Estado serão contempladas com unidades do CEFET. São elas: Caruaru, Afogados da Ingazeira, Ouricuri e Salgueiro. "A nossa expectativa é de que já no próximo ano possamos contar com uma unidade aqui na cidade, representando mais um impulso em nossa economia e beneficiando principalmente a juventude do Agreste Meridional", salientou Alexandre Marinho.

De acordo com o diretor do CEFET-PE, Sérgio Gaudêncio, Garanhuns vem participando de uma chamada pública junto a outros municípios e todas as unidades deverão estar implantadas até 2010. O representante do governo explicou que serão beneficiados em primeiro lugar as cidades que oferecerem melhores contrapartidas, já que os centros de educação serão instalados em 2008, 2009 e 2010.

O diretor especificou que a contrapartida deve ser apresentada pela prefeitura, objetivando receber o CEFET já no próximo ano. "Esta contrapartida está dividida em duas partes: a primeira é obrigatória, quando o município tem de passar para o Centro Tecnológico um terreno com as dimensões estabelecidas no edital de chamada pública. No mais a prefeitura pode oferecer serviços de vigilância, equipamentos e livros", esclareceu Sérgio Gaudêncio.