Garanhuns, 2 de junho de 2007
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Dom Irineu troca Garanhuns por Joinville

Comandando a Diocese local há nove anos, o bispo Dom Irineu Roque Scherer está trocando Garanhuns por Joinville, no Estado de Santa Catarina. A notícia, dada em primeira mão pela FM Sete Colinas, na última quarta-feira pela manhã, pegou de surpresa centenas de católicos da cidade, inclusive padres. Imediatamente choveram telefonemas para a emissora da Boa Vista, a Cúria Diocesana e o telefone particular de Marcelo Protásio, vigário geral da Catedral de Santo Antônio.

O próprio Dom Irineu, em entrevista ao comunicador Jonas Lira, da Sete Colinas, confirmaria a informação. Ele revelaria que já se poderia considerar ex-bispo de Garanhuns, uma vez que sua nomeação para Joinville já estava efetivada. Segundo o religioso, na cidade do Sul do país muitos estavam comemorando sua escolha, enquanto aqui na Suíça Pernambucana o sentimento era de tristeza.

A CHEGADA - O bispo garanhuense, natural de Toledo, no Paraná, deixará Garanhuns tendo tido uma passagem marcante pela cidade. Chegou em agosto de 1998, quando o município esperava há três anos e seis meses pela nomeação de um substituto para Dom Tiago Postma, que havia se aposentado. Dom Irineu foi recebido por uma multidão, com a presença de fiéis de todos as cidades do Agreste Meridional.

Logo no começo de seu trabalho pastoral, promoveu um rodízio entre os padres do Agreste, deixando alguns insatisfeitos, como foi o caso de monsenhor Geraldo Batista, de Capoeiras. Este se mexeu e chegou a ir a Roma para não ser transferido, o que acabou não acontecendo. Mas a maioria teve de atender a determinação do bispo, como padre Nelson, que trocou Caetés por Bom Conselho e monsenhor Benevenuto Sátiro, naquela época transferido de Garanhuns para Palmeirina.

ADMINISTRAÇÃO -Além dessa medida, Dom Irineu Roque Scherer se revelou um administrador ousado, conseguindo fazer uma elogiada reforma no seminário São José, na Avenida Rui Barbosa. Depois faria também a recuperação do prédio da Cúria Diocesana, na Avenida Santo Antônio e seria o principal artífice da construção do Santuário da Mãe Rainha, numa das colinas da cidade.

Outro ponto a marcar a gestão de Dom Irineu, foi sua oposição ao ingresso dos padres da Diocese local na política. Quando ele chegou à cidade, padre Djalma era prefeito de Quipapá. Foi reeleito e depois padre Ivo ganhou a eleição em Jupi. Mas o bispo deixava claro, inclusive nas entrevistas nas rádios, ser contra essa militância. Uma de suas vitórias nesse campo foi fazer com que Carlos André desistisse de se candidatar à prefeitura de Garanhuns. Atualmente, só padre Aldo Mariano, que foi vigário da Catedral de Santo Antônio, está afastado das funções sacerdotais, exercando o cargo de prefeito de São Bento do Una.

Padre Marcelo Protásio, atual vigário geral da Diocese (que substitui padre Aldo), reconhece que o sentimento é de surpresa e de tristeza, com a confirmação de que Dom Irineu irá para Joinville. Ele espera que não demore muito a ser nomeado um novo bispo para o município e informou que a escolha dependerá da Nunciatura Apostólica, sediada em Roma, que apresenta uma lista de nomes ao papa, responsável pela nomeação.