Garanhuns, 19 de maio de 2007
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

RECORDANDO BENTO XVI

Odete Melo de Souza


As antigas e benfazejas imagens das visitas do Papa João Paulo II ao nosso país, ainda bem vivas na mente e no coração de seus filhos, animaram e despertaram nos mesmos a ansiedade e alegria pela chegada de Bento XVI.

Muita animação, muito entusiasmo, incalculável concentração de pessoas, sacrifícios, longas caminhadas, sono ao relento, frio, fome, cantos, agitação de bandeiras, lenços e cartazes, exaltação à figura do Papa, orações, pedidos, emoções, lágrimas incontidas, imensa alegria ...

Eis a realidade vivenciada em São Paulo e transmitida para todo o Brasil de 09 a 13 deste tão lindo e abençoado mês de maio.
O Sumo Pontífice, sorridente abençoava toda aquela massa humana, mas também mostrava-se seguro e rigoroso quanto aos seus ensinamentos, ou melhor, quanto à Doutrina Única, Santa e Infalível da Igreja de Cristo.

O aborto, a eutanásia, o homossexualismo, o celibato, a célula tronco, o divórcio, o desrespeito à castidade antes do casamento foram temas combatidos, censurados e proibidos para os católicos.

A nacionalidade alemã de Bento XVI e sua imagem como Prefeito da Sagrada Congregação para Doutrina da FÉ constituíam duas autênticas características do rigor que a opinião comum lhe atribuía, surpreendendo-se consideravelmente com a publicação da sua 1ª encíclica DEUS CARITAS EST. (Deus é AMOR).

Pois, parecia impossível, uma contradição, um choque talvez, a dureza de sua personalidade tocar-se sentimentalmente e valorizar um tema como O AMOR, plenitude da felicidade humana, enfatizando ainda, o maior mandamento divino: AMAI AOS OUTROS, COMO EU VOS AMEI.

Esperamos que a vinda de Bento XVI à América Latina, maior continente católico do mundo, continente da Esperança e de modo bem especial o Brasil, deixe eficazes propósitos de resoluções e ações para o engrandecimento e santificação desta TERRA DA SANTA CRUZ.

Que o histórico encontro com os jovens em Pacaembu, revitalize nos mesmos, todas as suas potencialidades de vigor, coragem, esperança, criatividade, enfim, de vida plena direcionada para o aprimoramento pessoal e progresso da nossa Pátria.

Enfim, que a visita de Bento XVI deixe marcos indeléveis nos corações e nas almas daqueles que perseveram na fé e nos costumes e convite e alerta àqueles que precisam de conversão.

Agradecemos sua inesquecível presença e suplicamos uma benção especial para todos que vivem privilegiadamente nesta TERRA ABENÇOADA, conforme ele próprio intitulou o nosso tão querido BRASIL.


Odete Melo de Souza é professora e cronista