Garanhuns, 19 de maio de 2007
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

A classe média e o MST

Da contadora Inês Dória, da Megacom, recebemos pela internet o seguinte texto, que vai publicado abaixo:

Cenário: Pai trabalhador (P) e filho estudante (J) dentro do carro, a caminho da escola.

J - Pai, já que roubaram o som do carro vamos conversar um pouco?
P - Claro, filho!
J - Pai, o que é inclusão social?
P - Bom, filho, é que muitas pessoas têm muito e outras nada têm. A inclusão consiste em dar direitos iguais a todos.
J - Ah, tá! Os integrantes do MST são um exemplo de excluídos, né?
P - Isso filho.
J - Pai, o que eu devo ser quando crescer?
P - Bom, primeiro escolha uma profissão que você goste, depois estude muito, mas muito mesmo e depois trabalhe muito mais, dia e noite, só assim você será alguém na vida.
(Atrasados para a escola, o pai pára sobre a faixa de pedestres e é multado, além de ser maltratado pelo policial).
J - Pai, o que houve?
P - Fomos multados, filho.
J - Mas por que?
P - Porque estávamos bloqueando a passagem filho.
(Um pouco adiante o trânsito pára; a marcha do MST está passando)
J - Pai, por que eles estão bloqueando nosso caminho?
P - É a marcha do MST, filho.
J - Ah tá, e aquels policiais estão multando eles, né?
P - Não, filho, estão escoltando eles.
J - Ué, mas nós estávamos bloqueando a passagem e fomos multados e maltratados, e eles estão bloqueando tudo e são escoltados?
P - (silêncio)
J - E aquela ambulância lá? Ah, já sei! É por causa do plano de saúde que eles pagam, né? Como você paga pra poder ter assistência médica, né?
P - Não, filho, eles não pagam plano de saúde.
J - Ué, não entendi.
P - É o governo que está pagando essas ambulâncias que você está vendo.
J - E por que você paga plano de saúde então?
P - (silêncio)
J - Por que a maioria deles está com rádio?
P - Porque o governo doou 10 mil radinhos para eles se comunicarem.
J - Pô! E a gente sem som no carro, e você fala que precisa trabalhar pra comprar outro. Vamos pedir pro governo então.
P - Eles não nos dariam, filho.
J - Ah, já sei. Você reclama que paga 40% de tudo quanto ganha pro governo, mas com certeza eles pagam muito mais né? Eles têm todas essas regalias...
P - Não, filho, eles não pagam nada.
J - Como assim?
P - (pensativo, em silêncio).
J - Pai, quero parar pra falar com eles.
P - Não adianta, filho, eles só falam através de assessor de imprensa.
J - Que legal! Vamos contratar um assessor de imprensa pra nós, pai?
P - Filho, isso é muito caro, eu precisaria trabalhar o triplo do que trabalho pra poder pagar um assessor de imprensa.
J - Mas eles nem trabalham e têm?
P - Mas é o governo que paga, filho.
J - Pai, não foram eles que invadiram um prédio público e fizeram a maior bagunça?
P - Foram sim, filho.
J - E o que aconteceu com eles?
P - Nada, filho.
J - e por que eu fiquei de castigo e leveu uma baita bronca porque quebrei a lâmpada do poste jogando bola?
P - Porque você tem que cuidar e respeitar o patrimônio público, filho.
J - E eles não precisam?
P - (silêncio).
J - Pai! Vamos com eles?
P - Claro que não, filho, você precisa estudar e eu preciso trabalhar.
J - O que? Pode parar, eu vou com eles. Aprendi que os excluídos somos nós. Eu quero a minha inclusão social já!!!
(O menino desce do carro e se junta à passeata).
P - (silêncio e lágrimas).