Garanhuns, 5 de maio de 2007
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Contralodoria descobre desvio de dinheiro público

A Controladoria-Geral da União (CGU), órgão que nos últimos dias está fiscalizando algumas prefeituras da região do Agreste, descobriu irregularidades gritantes no uso do dinheiro público em diversos Estados brasileiros, dentre eles Pernambuco. Na maioria dos casos há superfaturamento de obras, às vezes na ordem de 300%, como ocorreu no Pará.

Depois de investigados cuidadosamente convênios firmados entre os ministérios da Justiça e dos Esportes, em 12 estados brasileiros, a Controladoria da União chegou a conclusão que houve má aplicação dos recursos, num total de R$ 454,2 milhões repassados pela Administração Federal. Em Pernambuco foram apurados superfaturamento de 50% em três contratos celebrados para construir e reformar presídios.

No Pará a mera reforma de um imóvel, destinado a abrigar famílias de presidiários, custou ao erário R$ 62,5 mil, quando segundo a CGU com R$ 15,5 mil dava para construir um prédio novinho em folha. Na Bahia, as verbas federais deviam bancar a aquisição de bloqueadores de celulares nos presídios, mas quando os auditores visitaram os locais a fiação estava cortada e os detentos continuavam falando ao telefone livremente.

Em Santa Catarina, o governo comprou, com verbas do Ministério da Justiça, 45 computadores, que deveriam ser usados em repartições vinculadas à Secretaria de Segurança Pública. As máquinas foram compradas em 2005 e 2006, mas até hoje não foram usadas. Irregularidades também ocorreram em Minas Gerais. Neste Estado, uma empresa local forneceu ao governo, no ano de 2004, equipamentos para circuito interno de TV de presídios. No ano seguinte a mesma empresa cobrou, por equipamentos idênticos, 36% a mais. O pior é que transcorridos dois anos da compra parte do material adquirido continua desativado.

Além dos casos nos Estados citados, foram descobertas irregularidades semelhantes em Rondônia, no Acre, Tocantins, Maranhão, Goiás, Paraná e no Rio de Janeiro. A Controladoria Geral da União vem fazendo este trabalho de fiscalização em órgãos públicos desde o início do primeiro Governo Lula. Recentemente, auditores da CGU estiveram em prefeituras de nossa região, mas os resultados desta operação ainda não foram divulgados.