Garanhuns, 5 de maio de 2007
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

PATÉTICO

Rafael Brasil Filho


Como bem colocou o ex presidente Fernando Henrique, a situação do PSDB é no mínimo patética. Não sabe ser oposição, depois de quase um mandato e meio petista. O pefelê, hoje travestido de democratas, aprendeu mais cedo, e até estão se comportando como tal. O PSDB vem perdendo o rumo, pois sua política econômica foi mantida por Lula, e muitos ficaram sem discurso, além á claro da parte fisiológica, que não agüenta ficar um tempinho sem um delicioso carguinho oficial. Nem Serra, nem tampouco Aécio Neves, procuram torpedear o governo mais acirradamente, pois, além de disputar o mesmo cargo, à sucessão presidencial, não querem radicalizar, pois o presidente não é candidato à reeleição, por impedimento constitucional. E assim anda o PSDB, que parece está perdendo o posto de social-democrata para o antigo revolucionário, e agora desmoralizado pelo mensalão, o PT.

Enquanto isso, Tasso Jereissati, um dos caciques do partido, encontra-se com o presidente. Fernando Henrique acertadamente censurou-o, mas vem sofrendo pesadas críticas dentro do partido, que agora é contrário a reeleição, ao contrário do ex-presidente, que permanece a favor. Haja confusão. Como diz o ditado popular, casa aonde não existe comida, todos brigam e ninguém tem razão. Haja briga. Claro, Lula o os desmoralizados petistas certamente estão rindo disso tudo. Certo mesmo são os ex-pefelistas, os atualmente autodenominados democratas. Tentam aprender urgentemente ser oposição, pois senão serão engolidos pela irremediável máquina da história. Afinal, o país precisa urgentemente de um grande partido de centro direita, liberal, democrático e moderno. Tenho sérias dúvidas de os democratas vão realmente assumir esta função, mas estão se esforçando para se renovar.

Conseguiram a CPI dos aeroportos, e ganharam na questão dos deputados que abandonaram o partido, com a consulta ao STF. ACM , apesar dos afagos do presidente, vai fustigar o governo , mais especialmente Carlos Wilson, nos casos de corrupção da INFRAERO, que, muito provavelmente teve dinheiros repassados para as mais diversas campanhas eleitorais. Ou se regulamenta a questão, ou instauremos de vez a plutocracia e a cleptocracia, legalizando de vez a compra de votos e a ladroagem, que ademais, estão quase legalizados. Quem não sabe que na última eleição, na nossa região, o voto valeu 26 contos de réis? Foi-se o tempo em que se votava por opinião, com raras e honrosas exceções. Porém do jeito que está, não tem democracia que resista. Pobre de nós, sem pão nem democracia. E as famosas vivandeiras, que cercam aos bivaques os quartéis, como diria o finado Castelo Branco, espreitam, agora mais à esquerda do que à direita. Ditadura de direita já tivemos, com a última durando vinte anos. Agora em pleno século XXI, será que vão instaurar uma de esquerda? Ou mesmo populista? Vade retro satanás! Por isso é preciso reestruturar a oposição, com unidade. Senão, a vaca vai logo para o brejo. Oposição é oposição, ora bolas. Tem que ser contra o governo, ademais nem todo mundo votou em Lula. Graças a deus. Assim a república e a democracia resistem. Fernando Henrique está certo em não aceitar os acenos do presidente, a não ser com agenda. Sem agenda, seria como o abraço dos afogados. E isso, só os bêstas querem. Como diria meu velho avô Fausto, oferecer é dos homens, aceitar dos cabras safados. Ô velho bom o meu avô!