Garanhuns, 21 de abril de 2007
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Izaías defende instalação da Delegacia da Mulher

A instalação da Delegacia da Mulher em Garanhuns foi solicitada ao goveno estadual pelo deputado Izaías Régis (PTB), que usou a tribuna da Assembléia Legislativa para defender esta iniciativa. A proposta, que já vem sendo defendida desde a administração de Jarbas e Mendonça, por diversos segmentos da sociedade local, agora passa a ser encampada pelo único parlamentar da cidade com assento no Legislativo.

Numa longa justificativa à sua solicitação, Izaías registrou que a violência doméstica é um problema que atinge milhares de crianças, adolescentes e mulheres de forma generalizada. "É um problema universal, que ocorre na maioria das vezes de forma silenciosa e dissimulada", argumentou o parlamentar petebista.

O deputado explicou que a questão é relevante sob dois aspectos: primeiro, devido ao sofrimento indescritível que imputa às suas vítimas, que muitas vezes agüentam tudo caladas e, em segundo lugar, porque comprovadamente a violência doméstica, incluindo aí a negligência precoce e o abuso sexual, pode impedir um bom desenvolvimento físico e mental da pessoa atingida.

"Segundo dados do Ministério da Saúde, as agressões constituem a principal causa de morte de jovens entre 5 e 19 anos. A maior parte dessas agressões provém do ambiente doméstico", citou o representante do município na Assembléia Legislativa de Pérnambuco.

FORMAS DE VIOLÊNCIA - Na sua argumentação, Izaías Régis denunciou as várias formas de violência que acontecem no ambiente doméstico, com agressões verbais, físicas e psicológicas. "A violência doméstica é considerada um dos fatores que mais estimula crianças e adolescentes a viver nas ruas. Em muitas pesquisas feitas, as crianças de rua reclamam de maus tratos corporais, castigos físicos, violência sexual e conflitos domésticos como motivo para sair da casa", complementou.

Especificamente com relação à agressão as mulheres, o parlamentar traçou um perfil das vítimas, citando dados estatísticos que mostram o seguinte: 50% têm entre 30 e 40 anos; 30% têm entre 20 e 30 anos; em 50% dos casos o casal tinha entre 10 e 20 anos de convivência; 40% entre um e dez anos; 40% dos casais se separa depois de prestada queixa; 60% continuam a viver conjugalmente.

"Muitas vezes a mulher presta queixa e depois volta atrás. A dependência emocional, mais que a econômica, é que faz a mulhe suportar as agressões", afirmou Izaías. Segundo ele isso acontece mesmo quando uma boa parte desses casos tem origem em algo mais sério do que pequenas rusgas familiares.

Ainda conforme o deputado, na maioria dos casos os agressores são homens (67,4%), cônjuge e/ou ex-cônjuge da vítima. Esses agressores podem ser divididos nos seguintes tipos: portadores de transtorno anti-social da personalidade, transtorno explosivo da personalidade (emocionalmente instáveis), dependentes químicos e alcoolistas, embriagues patológica, transtornos histéricos, e outros transtornos de personalidade, como paranóia e ciúme patológico.

DELEGACIA - No entender de Izaías Régis a implantação da Delegacia da Mulher em Garanhuns, cidade pólo do Agreste Meridional, irá facilitar o acesso da população a uma polícia especializada, uma vez que atualmente a unidade mais próxima está localizada em Caruaru, a mais de 100 km de distância, o que dificulta as coisas, principalmente para os mais carentes, que não dispõe de meios de locomoção.

A proposta do parlamentar foi enviada ao governador Eduardo Campos e aos seus principais auxiliares na área de segurança pública, como o secretário de Defesa do Estado, Romero Lucena, o secretário de Direitos Humanos, Roldão Joaquim dos Santos e a secretária executiva dos Direitos da Mulher, Cristina Buarque.