Garanhuns, 21 de abril de 2007
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

HUMOR

Raulzito


VIVIANE DE CALCINHAS

Como eu dizia na coluna anterior, o Santa e o Náutico estavam escondendo o jogo. Perderam para os times do interior só para enganar o Sport, que pensa ter conquistado muita coisa só porque foi bi com duas rodas de antecedência e ainda por cima invicto. Tudo encenação. Os tricolores vão terminar na série C do brasileirão só para se fazer de trouxas e o alvirrubro se brincar vai perder todas na série A, pensando em enganar de novo a nação rubronegra.

No próximo ano, quando o Leão pensar que a cobrinha e o timbu estão mortos eles vão ressurgir das cinzas, vão ganhar todas e terminarão o campeonato em primeiro lugar, empatados. Vai ser uma competição daquelas, ainda mais que o Ibis e o Sete de Setembro estarão na primeira divisão. Garanhuns, com o desenvolvimento gerando trabalho, enfim estará de volta à elite do futebol pernambucano e não abrirá mais nem para a antiga estação de trem, que se estivesse viva teria completado o mês passado 120 anos de vida.

Mas deixemos o futebol de lado, ainda mais que um grupo de fiéis leitores anda reclamando não da minha ausência, e sim da falta de Viviane, a minha namorada arretada que mora no bairro de São José.

Dizem que ela está aparecendo pouco, quase não é citada. Umas fofoqueiras que freqüentam religiosamente a catedral já inventaram até que eu arranjei outra, uma tal de Edileusa, apelidada carinhosamente de Leleu. Tudo inveja do nosso amor, mais verdadeiro que a paixão do profeta da novela das seis, mais épico do que drama de Shakespeare, mais chorado do que música de Roberto Carlos depois da morte de Maria Rita.

Acontece que minha missão é criticar, é debochar, é apontar os buracos e os responsáveis pela buraqueira. E tenho de fazer isso sem gerar estresse, pois já tá todo mundo deveras cansado, preocupado, liso e lascado. Então, se possível que os leitores saibam das coisas ruins de modo sutil, leve e até engraçado. Sou, às vezes, uma espécie de urologista. Aquele médico que tem de dar dedada no cidadão sem que ele sofra uma trauma porque perdeu a virgindade...

Quem pensa que meu amor é feito aliança de político está redondamente enganado.

Assim, não tem Leleu, nem Fernanda Lima, Flávia Alexandra, Juliana Paes, Gisele Bucha, Angélica, nem Xuxa na contagem regressiva para os cinqüenta... Nem uma mulher irá fazer com que eu deixe de amar perdidamente, doidamente e estupidamente a minha Vivi.

Se não tenho falado tanto nela na coluna, nas últimas edições, é por conta da montagem do novo ministério, da nova política de insegurança do Estado, da possibilidade de mudança do presídio feminino de Garanhuns e principalmente por conta dos lances emocionantes do campeonato pernambucano, com Santa e Náutico o tempo todo escondendo o jogo.

Prometo a vocês, meus 24 fiéis leitores, que num dos próximos números vou escrever a coluna só falando da Vivi, como no dia em que eu, ela e uns turistas de fora visitamos os lugares mais bonitos de Garanhuns. O Columinho, o Pirulito, a Mãe Rainha, o Ocrides Dourado, o Castelo de João Capado, o Pau do Pombo e o bar da Maria Gorda.

A coisa só não foi melhor porque justamente no último ponto turístico, o Alto do Mangando, fomos assaltados por um um grupo de ladrões de dentro. E os larápios nos deixaram do mesmo modo como largaram aquele policial de Boa Viagem: só de cuecas.

Pra completar o azar as roupas íntimas desse escriba e da coitada da Vivi estavam cheia de furinhos e eu nem sei se os turistas de fora engoliram a minha história: eu disse que aquilo era pra ventilar.

Se eles acharam que o problema é liseu acertaram em cheio, os desgraçados. Acho que eram todos torcedores do Sport, pois estavam tão alegres, que nem ligaram pra ação dos assaltantes, estes pelo visto interessadíssimos em ser notícia na Ronda Policial.

Honestamente, espero é que o governador Eduardo Campos copie o estilo de trabalhar do prefeito Luiz Carlos do Jardim das Oliveiras. Se ele fizer isso irá realizar pelo menos uma obra a cada semana, e aí quem sabe dá um jeito na bandidança e não deixam mais a minha Viviane só de calcinhas.