Garanhuns, 15 de outubro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Silvino e Izaías se enfrentam de novo em 2005

Grande vencedor da eleição de 2004, o ex-prefeito Silvino Andrade (PSDB) irá tentar bater novamente nas urnas o seu principal adversário no município, o deputado estadual Izaías Régis, do PTB, que tentará a reeleição no próximo ano. Os dois vêm já há alguns anos disputando a hegemonia dos eleitores locais, ora com vantagem de um, ora do outro. Em 2006, poderá enfim ser definido quem é o maior líder político de Garanhuns.

Natural de Terezinha, pequeno município vizinho da terra de Simoa Gomes, Izaías chegou aqui na cidade ainda menino, foi estudante pobre do Colégio Diocesano, trabalhou como vendedor, chegou a ter um fiteiro na Avenida Santo Antônio e depois se estabeleceu como comerciante. Quando entrou na política, começou mal, não conquistando os votos necessários para se eleger vereador. Perdeu duas disputas pela prefeitura, até que em 2002 deu a volta por cima, garantindo o mandato de deputado estadual com mais de 40 mil votos, mais da metade deles conseguidos na Suíça Pernambucana.

Silvino Andrade veio da Paraíba, se estabelecendo como médico e político no município graças ao apoio do ex-deputado José Tinoco. Exerceu três mandatos de vereador, foi vice-prefeito de José Inácio Rodrigues e em 1996 venceu a disputa pelo Palácio Celso Galvão contra Ivo Amaral, que era o favorito na época. Se reelegeu, mas em 2002 foi derrotado por Izaías no pleito estadual, quando sua mulher, Aurora Cristina, ficou na terceira suplência da aliança PMDB, PFL, PSDB e PP. Em compensação, o ano passado elegeu Luiz Carlos de Oliveira prefeito, quando Bartolomeu Quidute tinha o favoritismo na disputa.

A DISPUTA EM 2006 - No próximo ano, quando Izaías e Silvino devem disputar uma vaga na Assembléia Legislativa, teremos um verdadeiro "clássico político" municipal. O deputado petebista tentará se recuperar do revés de 2004, enquanto o ex-prefeito fará tudo para manter a hegemonia na terrinha, suplantando seu rival em votos e garantindo a vaga na Casa de Joaquim Nabuco.

Na estratégia que traça para o próximo ano, Silvino trabalha com a hipótese de vencer Izaías em Garanhuns por uma diferença de cinco ou seis mil votos. Conta, para isso, com os serviços prestados durante os oito anos em que foi prefeito, o bom trabalho da mulher na Assembléia Legislativa (Aurora assumiu o mandato em janeiro deste ano) e os apoios do senador Sérgio Guerra, do Governo Jarbas e do prefeito Luiz Carlos de Oliveira.

Izaías Régis, escaldado com a derrota do ano passado, quando cometeu erros políticos primários, trabalha para repetir a boa votação que teve em Garanhuns, assegurando ainda apoios importantes em municípios como Caetés, Correntes, Capoeiras, Angelim, Brejão e Saloá.

O deputado tem aliados do porte de Armando Monteiro e Bartolomeu Quidute e ações que podem ajudá-lo a conquistar muitos votos. Os centros de saúde montados com a ajuda do Sesi vão de vento em popa, o Centro de Artes da Rui Barbosa se consolida cada vez mais, a escola do Senai será inaugurada ainda este ano e o Festival de Música e Arte que acontece este mês tem tudo para alavancar ainda mais a campanha do parlamentar no próximo ano.

Neste jogo de xadrez traçado pelos dois políticos, a atuação do prefeito de Garanhuns, Luiz Carlos, será fundamental na definição do vencedor. Até o momento, uma administração que se anunciava ousada está sendo muito tímida e isso com certeza irá resvalar em cima de Silvino, que foi o grande padrinho da vitória do seu sucessor.

Em 2004, enquanto Izaías insinuava que Luiz era ateu, Silvino espalhava obras por toda cidade. O resultado foi a derrota de Bartolomeu. Mas em 2006, ao que parece, o petebista é que terá ações para mostrar à população, enquanto o ex-prefeito ficará tentando explicar o ritmo lento da gestão do aliado. Claro, até lá muita coisa pode acontecer. O quadro atual, no entanto, até o momento indica que o presidente da Associação Comercial tem boas chances de se recuperar do fiasco da eleição passada. (R.A.).