Garanhuns, 15 de outubro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CULTURA
 

Cultura passa a interessar a classe política

O potencial cultural de Garanhuns começa a despertar o interesse da classe política do município. Neste final de semana, começou o I Festival de Música e Arte do Agreste Meridional, idealizado pelo deputado Izaías Régis, no próximo mês deve ser inaugurado o Cinema Eldorado na cidade, com apoio logístico do poder público e o prefeito Luiz Carlos poderá, enfim, criar a Secretaria de Cultura, reivindicada pela classe artística. Além disso, a região deve ganhar em breve um Ponto de Cultura, idealizado pela Saga, à frente a atriz Lilian Ferreira.

Terra do escritor Luiz Jardim e do músico Dominguinhos, Garanhuns tem se limitado, nos últimos anos, ao Festival de Inverno, que mesmo assim vem se descaracterizando, de três anos pra cá, com a inclusão de artistas de vaquejadas na grade de programação. Na cidade dos colégios XV, Diocesano, Santa Sofia, Monsenhor Adelmar, Santa Joana D´Arc e Estadual Jerônimo Gueiros, no entanto, alguma coisa começa a acontecer. E não é só pelo surgimento das faculdades e das Universidades, como Faga, FDC, UPE e UFRPE.

Escritores, compositores, músicos, artistas plásticos, diretores de teatro, atores, artesãos, uma infinidade de talentos se movimentam, na maioria das vezes no anonimato, independente dos políticos, da prefeitura e do Governo do Estado. Essas pessoas, quando têm oportunidade, costumam surpreender, como acontece agora com a realização do Festival de Música e Arte. O deputado Izaías Régis, que promove o evento de olho na reeleição, confessa estar surpreso com tanta gente boa que se inscreveu na seletiva.

A partir dos próximos anos, com a consolidação do Pólo Universitário, a realidade do município poderá mudar e os artistas locais e da região poderão ser vistos de um outro modo. Dessa maneira, talvez nunca mais um político possa dizer o que afirmou o ex-prefeito Silvino Andrade, quando insinuou que cultura era mais pra Belo Jardim e Caruaru do que Garanhuns.