Garanhuns, 15 de outubro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

COLUNA DE ULISSES

Ulisses Pinto


DIOCESANO - Dentro da programação dos 90 anos do Colégio Diocesano de Garanhuns, fundado pelo cônego Benigno lira, o qual é dirigido pelo o talentoso prof. Albérico Fernandes, que está à frente do "Querido Lar", ocorreu no dia seis deste mês a aposição de duas placas com fotos em homenagens ao "Diocesano" e ao dedicado amigo prof. Albérico, que completou 21 anos de inestimáveis serviço, no cargo aludido.

Na secretaria do colégio que fica na praça monsenhor Adelmar Valença (antiga praça da Bandeira), falaram o sr. Emanuel Tenório, professora e secretária geral, Antônia Zedinira, a qual é poetisa, prof. Souza Barros, aluna Natália Felizardo, prof. Aldemir Fernandes Vilela, presidente da Associação Dos Colégios Diocesanos do Nordeste e o prof. Albérico que agradeceu a homenagem a sua pessoa pelo professorado e alunos, não deixando de enaltecer o saudoso Dom Thiago Postma (ex Bispo da Diocese) e ao padre Ivo, ex-diretor do "Diocesano", ao seu amigo Emanuel Tenório e aos seus genitores que o "guiaram pelos caminhos do bem".


NOVENTA ANOS - Esta coluna, é dedicada ao imortal Colégio Diocesano, onde estudamos pelo o período de 1933 a 1938, cujos diretores foram saudosos monsenhores Callou, Adelmar Valença e Tarcísio Falcão. Devemos aos idolatrados monsenhores Callou e Adelmar da Mota Valença, o que somos hoje (pessoa simples, que continua singrando pelos ditames da ética e de amor ao seu semelhante).

Homenagear o "Alto padrão de civismo e de glória", é dever do bom garanhuense, dos que moram em Garanhuns, dos que estudaram nesse educandário sem nada pagar, graças ao monsenhor Adelmar Valença, que tem agora nome da praça que fica em frente ao nosso Diocesano, numa homenagem digna de elogios ao ex-vereador de São Pedro, Augusto Acioli, autor do projeto. Homenagear o saudoso mons. Adelmar, é também colocá-lo no primeiro plano por ter fundado o antigo "Ginásio do Arraial" que tem o seu nome Monsenhor Adelmar Valença, que a diretoria "inventou" chamá-lo de CMA... Pois que mal faz dizer de monsenhor Adelmar da Mota Valença? É, não resta dúvida, um mal de alguns que professam o catolicismo. Mas, infelizmente, Garanhuns, tem dessas coisas.


PINTO FERREIRA - No dia 7 do andante, ocorreu na FAGA, pelas 20 horas, o lançamento do grande livro intitulado "Pinto Ferreira - Vida e Obra", de autoria do escritor, jurista, poeta, ex aluno do nosso Colégio diocesano, Manoel Teixeita Neto, também cidadão Honorário desta terra "onde o Nordeste garoa".

A noite de autográfos foi uma consagração pela qualidade dos que foram adquirir o precioso livro sobre Pinto Ferreira, esse gigante do direito não só de Pernambuco, porém do país. É o próprio amigo de longas datas, Manoel Teixeira Neto, que diz no seu "Jornal Judiciário" que circula no Nordeste o seguinte, num seu edificante trabalho: "Certo é que muito já se disse e se comentou sobre a obra desse pernambucano, (Pinto Ferreira), conhecido além fronteiras do País, ao talante de brasileiros ilustres e de filósofos, cientistas e humanistas representativos dos maiores centros acadêmicos e universitários dos vários continentes". Vejam: Um 'dos vários continentes"! É este Pinto Ferreira, que o renovado escitor Manoel Neto escreveu a sua biografia. Tal obra, foi lançada a pedido de renovados homens do Direito, no dia 11 de agosto deste ano, no palácio do governo (Recife) numa homenagem também aos 178 anos de fundação dos cursos jurídicos do brasil. E agora, nesta cidade, o ainda jovem escritor e jurista, manoel Neto Teixeira, faz a premiação aqui dessa obra jurídica a qual foi adquirida mais de 90 exemplares (R$ 40,00 cada).

Falaram sobre a solenidade de cunho jurídico , mas dentro das festividades dos 90 anos do colégio diocesano de Garanhuns, o diretor Albérico Fernandes, professora Eliane Simões, diretora da AESGA, juiz de Direito Márcio Barreto, também diretor da faculdade de Direito, jornalista Ulisses Pinto e o eminente escritor Manoel Neto Teixeira, acompanhado da sua gentil esposa Vânia Nóbrega.

Representou o prefeito de Garanhuns, o secretário de Comunicação, Marcos Régis e um grande número de estudantes, intelectuais, escritores, o sr. João marques, presidente da Academia de Letras de Garanhuns, além dos senhores (a) Givaldo Calado e maria Emília calado, Jodeval Duare, Manoel Elpídio, clínico Reinaldo Souza Lima, Antônia Zedinira, Almir Alves, Carlos Janduy, Dorvalina Maciel de Vasconcelos e Nivaldo Tenório de Vasconcelos, Raimundo Miguel F. Carvalho, Flávio Holanda e Elizabeth Holanda, José Maria Leitão, secretário de Educação deste município, e de outras pessoas convidadas.

Um coquetel coroou o final da solenidade e mais uma vez, dominou a ausência de refrigerante dietético. Pelo o menos, 10% serveria para os que possuem a tal famigerada diabete, salvo engano, puro egoísmo.