Garanhuns, 1º de outubro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Corrupção e Covardia

Rafael Brasil


Não é de hoje que denuncio os descalabros políticos e administrativos de Caetés. Nepotismo, (talvez se analisarmos direitinho, Caetés é a campeã do estado nesta modalidade) evolução patrimonial de quase todos os membros da família do prefeito, distribuição farta de gasolina a parentes e aficionados políticos , o escambau. Já os funcionários, nunca receberam o salário mínimo, são constantemente perseguidos e humilhados, coibidos de tomar posições políticas independentes da do prefeito e sua insaciável oligarquia familiar. Em outros termos, quem for contra, é sistematicamente perseguido, contando o prefeito, além de sua numerosa família, muitos áulicos para denunciar, quem quer que tenha quaisquer posicionamentos críticos sobre o prefeito e a sua administração. Talvez ele queira inaugurar a ditadura perfeita, coisa que nunca existiu nos manuais da ciência política. Aliás, o prefeito é um cidadão pretensioso, pois quer ser prefeito de Garanhuns e deputado federal. Nada contra as ambições, sobretudo as políticas. Afinal, quem nada ambiciona, nada consegue. Mas afinal, qual é o seu pensamento político? Quais as suas propostas? O que ele pretende fazer na prefeitura de Garanhuns, ou mesmo na Câmara Federal? Fazer o que faz em Caetés? Segundo os meios de comunicação do estado, as falcatruas chegam a mais de dois milhões. Num município que vive essencialmente de assistência federal, das bolsas escolas e família da vida. E, de onde ele tira tanto dinheiro para financiar suas infatigáveis campanhas políticas, pois ele também já sonhou ser deputado estadual. Gastou uma fortuna, apesar de sempre ter sido um simples funcionário da CELPE, como todo mundo sabe. Coisas da política, coisas do Brasil.

Só que, como já estamos acostumados a ver nos noticiários, geralmente os corruptos costumam também ser covardes. Semana passada, soltaram panfletos apócrifos, não só em Caetés, mas sobretudo no local em que trabalho, dizendo que sou ladrão de velhinhas, quando trabalhei como representante do funrural, há mais ou menos uns quinze anos atrás. Foi o pior emprego que tive, mas na época, afastei a grande maioria de intermediários que infestavam estas repartições, explorando cruelmente os velhinhos aposentados. Recebi bem e tratei com respeito todas as pessoas independente de coloração política,apesar de meu pai ser o prefeito na ocasião. Neste sentido recebia e muito bem, Uziel e Lindolfo que eram da oposição, eles são testemunhas disso. Os próprios familiares do atual prefeito lá eram bem recebidos, chegando alguns até, por vezes trabalhar por lá, temporária e informalmente. Ao notar irregularidades vindas de fora, prontamente pedi uma auditoria ao INSS, para verificar a situação de algumas aposentadorias suspeitas. Foram descobertas mais de quarenta aposentadorias com documentos falsificados por uma máfia instalada em Garanhuns. Como tinha assinado alguns requerimentos de aposentadoria, me indiciaram em alguns processos. Afinal, se eu fosse roubar, como iria pedir uma auditoria do próprio INSS? Só se o ladrão fosse roubar e depois chamar a polícia para denunciar a ele próprio. Seria um caso para o manicômio, enfim. E para as injustiças praticadas pelo judiciário brasileiro, que não são poucas aliás...Depois dos inquéritos, há mais de oito anos que fui absolvido de todos os processos, que somados, foram cinco, se não me engano. Posso ter todos os defeitos, mas não sou ladrão, nem tampouco corrupto. Por isso, na época era chamado de besta por muitos, ao notarem que, ao contrário de muitos representantes de funrural , que andavam em carros novos e tinham mansões, eu tinha um fusca velho, que aliás passei nove anos com ele. Quase um casamento, com àquele velho fusca ano l974. E solicitei, por escrito, perante um juiz federal, que abrisse meu sigilo fiscal telefônico e bancário. Será que o prefeito, ou integrantes de sua oligarquia teriam coragem de fazer isso? Com o andar da carruagem, duvido. O desafio está lançado!

Porém, o que mais me entristeceu, foi colocar o nome de meu pai nessa história. Ora ele faleceu há mais de três anos. Gostaria que estes vagabundos de plantão o deixassem em paz. Como devemos fazer com nossos mortos, reverenciá-los e respeita-los. Ademais, sempre tive, e hoje tenho ainda mais um profundo respeito pelos mortos da família do prefeito. Aliás, sempre os admirei e os respeitei, sobretudo quando vivos, e todos daqui da terrinha sabem disso.

Por isso, tenham coragem e a honradez de mostrarem a cara, para sobretudo não mentirem quando quiserem, pois a justiça está aí. Se sentirem ofendidos com meus artigos, a porta da justiça está aberta, e sobretudo se eu estiver mentindo. E se me chamarem de ladrão, meto na justiça, fiquem avisados os mentirosos a áulicos do prefeito. O pretendente a Saddam de Caetés, vige Maria, logo ele será presidente da república...vade retro, satanás

Semana que vem volto à política nacional e internacional, afinal estou com saudades de falar do nosso lulinha...Que já foi o paz e amor, mas agora está brabo...