Garanhuns, 1º de outubro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CULTURA
 

Janduy e Kitty agora são cidadãos de Garanhuns

Os colunistas Kitty Lopes e Carlos Janduy, que colaboram regularmente com o Correio Sete Colinas desde o primeiro número do jornal, receberam em 15 de setembro passado o título de cidadãos de Garanhuns, num reconhecimento da Câmara de Vereadores por tudo que têm feito pela cidade. Natural de Brejão, Kitty tem toda uma vida dedicada à Suíça Pernambucana e recentemente comemorou 15 anos de colunismo social na cidade. Quanto a Janduy, que nasceu no Recife, está na terra de Simoa Gomes desde menino e tem se dedicado ao município como professor, teatrólogo, compositor, poeta e cronista.

Na mesma sessão solene em que Carlos Janduy e Kitty Lopes foram homenageados, receberam o título de cidadania do município a senhora Eliane Madeira, diretora da Creche Lar Santa Maria, o diretor do jornal Folha da Cidade, David Melo, e o compositor Onildo Almeida. Este último fez para Luiz Gonzaga gravar a música "Onde o Nordeste Garoa", cantando as belezas e principalmente o clima único de Garanhuns no Nordeste. Quando da entrega dos títulos, estavam presentes na Casa Raimundo de Morais cinco vereadores, dentre eles o presidente da Casa, Sivaldo Albino, além do prefeito Luiz Carlos de Oliveira e outras autoridades.

Na oportunidade, o professor Janduy fez um discurso que chamou a atenção dos presentes, começando por citar os nomes do prefeito, do presidente da Câmara, de sua esposa Sandra Albino, dos filhos Carolina, Lucas e Jéssica, dos irmãos Vânia e Moizés, além dos colegas professores. Na íntegra, o novo cidadão de Garanhuns assim se expressou ao agradecer a homenagem dos parlamentares do município:

"Quero de início assinalar meu reconhecimento ao Vereador Sivaldo Albino que tomou a iniciativa de propor o meu nome para receber o Título de Cidadão Honorário de Garanhuns. Agradeço igualmente a todos os Vereadores que apoiaram o Projeto, de forma unânime, o que me deixou bastante honrado.

Este Título a mim outorgado por esta conceituada Casa, transforma em situação de direito o que já venho vivenciando de fato. Viver como cidadão de Garanhuns, participar do dia-a-dia desta cidade, conviver com esse povo, é realmente um grande privilégio.

Neste momento tão importante para mim, quero também agradecer por tudo que fizeram na minha caminhada até aqui, aos meus pais, aos meus irmãos, a minha companheira Sandra, muitas vezes tão paciente comigo; aos que me ensinaram as primeiras letras e me abriram portas do conhecimento. Minha gratidão aos mestres e mestras que se dedicaram às crianças e jovens, entre os quais eu me encontrava, com as mesmas dificuldades e os mesmos sonhos.

Permitam-me citar aqui alguns nomes, e ao citá-los, quero com isso estar registrando o meu profundo agradecimento a todos eles. São grandes referenciais em minha vida, que apostaram (e apostam) no meu trabalho, nos meus projetos, nos meus sonhos, acreditando sempre no que posso realizar de bom, nas áreas que posso e ouso atuar. São eles: Ivonete de Barros Alves, minha mãe; José Alves de Souza, meu pai adotivo (in memorian); João Bernardino, meu pai biológico; Profª Josefa Alves Bezerra (Dona Dita), mais uma mãe que tive a felicidade de ter; Profª Maria Cristina Gonçalves de Medeiros, incentivadora nos meus primeiros poemas; Dr. Edson Leite; incentivador nos meus primeiros passos na música; Prof. Aldo Fernando, responsável pelo meu primeiro emprego na Educação; Mons. Adelmar da Mota Valença, inesquecível Mestre (in memorian); Pe. Ivo Francisco, que me deu a oportunidade de fazer parte do corpo docente do Diocesano; Prof. Mazinho, amigo-irmão de todas as horas; Dr. Alberto Madeira, meu querido amigo e compadre, e Prof. Albérico Fernandes, "amigo-pai", parceiro das boas idéias, que tem depositado em mim, há mais de 15 anos, uma confiança que muito me honra. Prof. Albérico, que dentre tantas funções, tem a missão de dirigir o "meu" querido Colégio Diocesano, do qual tenho a felicidade de ter sido aluno e há 19 anos, sou funcionário, ou melhor, membro da família que brilhantemente existe.

Quero também aqui, considerando as minhas reflexões e lembranças, expressar agradecimentos a tantos outros cidadãos que aqui vivem ou que por aqui passaram anonimamente, prestando relevantes serviços a esta cidade. Sinto-me no dever de compartilhar com esses cidadãos desconhecidos, a homenagem que ora recebo com sentimento de excelência e satisfação.

Compartilho também este momento com as Escolas Arcelino Matos e Henrique Dias, Grêmio Cultural Ruber van der Linden, Colégio Diocesano de Garanhuns, Grupo Diocesano de Artes, Escola Profª Elisa Coelho, Associação Jesus Alegria dos Homens, Correio Sete Colinas, Marano FM e com todas as entidades e pessoas que aqui constroem, no árduo cotidiano, a cidadania plena. "Uma cidadania para um mundo em rápida mutação, onde devemos promover uma rápida transformação social eqüitativa, sem negar os valiosos elementos de nossas próprias tradições". Para isso são necessárias sabedoria, discernimento e justiça.

Neste mundo globalizado, a competitividade, o consumo e outras coisas mais, nesta linha, constituem parâmetros para o presente estado das coisas. "A competitividade comanda as nossas formas de ação. O consumo comanda as nossas formas de inércia". E a confusão de certas coisas impede o nosso entendimento do mundo, do país, do lugar, da sociedade e de cada um de nós mesmos. Citando o Prof. Lauro Morhy, devemos então buscar os imperativos mínimos a serem respeitados por todos os povos e governos, com criatividade política, imaginação social e pluralismo cultural. Essas são as preocupações fundamentais da nova cidadania, da cidadania global, daqueles que, assim como nós, acreditam que um mundo novo e bem melhor é possível.

Na música "O Último Pau-de-Arara", de Venâncio, Corumba e J. Guimarães, há um trecho que diz: "quem sai da terra natal, em outro canto não pára..." Mas eu parei em Garanhuns. Assim como muitos o fizeram. Cheguei da minha terra natal Recife, há mais de 30 anos, e é bem provável que aqui fique até os meus últimos dias. Mas, para que a sabedoria desses compositores não fique mal julgada, lembro que a sabedoria popular também nos ensina que "o melhor lugar do mundo é aquele em que nos sentimos bem e onde a felicidade fica mais perto de nós". Eis porque muitos param e ficam em Garanhuns para sempre.

Bom, eu peço licença aos outros homenageados desta noite, para nesta oportunidade, dizer do quanto eu torci para que Onildo Almeida recebesse uma grande homenagem do povo da terra de Simoa. (Vários vereadores sabem dessa verdade). Sempre vi na música "Onde o Nordeste Garoa", um símbolo a mais de Garanhuns. E como se não bastasse a beleza desta composição, o Rei Luiz Gonzaga a gravou, eternizando de vez essa homenagem musical à Cidade das Flores. A você, Onildo Almeida, o meu abraço de profunda admiração, e ao Ex-Vereador Eraldo Caxiado, meus cumprimentos por ter indicado o nome deste brilhante compositor, para que a ele fosse concedido o Título de Cidadão Honorário de Garanhuns. E, para mim, que feliz coincidência; hoje, estou eu aqui também recebendo este Título.

Antes de finalizar, preciso dizer, em especial aos atuais Vereadores deste município, que levo deste momento a certeza de que meus 25 anos dedicados à educação tenham sido a razão mais forte, para que me outorgassem o Título de Cidadão Honorário de Garanhuns.

Mais uma vez, o meu muito obrigado a todos os Vereadores que apoiaram esta homenagem a minha pessoa; ao Ex-Vereador Mazinho, que apresentou justificativas para que me concedessem o Título, meu abraço agradecido, extensivo ao também Ex-Vereador Audálio Filho e ao Vereador Daniel da Silva, que na ocasião também teceram comentários em favor da proposta do atual Presidente desta Casa, o jovem inteligente e corajoso Sivaldo Albino, que foi meu aluno (um bom aluno, por sinal), e que, por generosidade do destino, hoje é meu cunhado, e mais do que isso, é um grande amigo.

Obrigado a todos pelo carinho, pela amizade e por estarem aqui, prestigiando esta reunião solene, momento que guardarei para sempre em minha memória.

Que Deus nos abençoe!"