Garanhuns, 17 de setembro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Intuição feminina

Ana Cristina Monteiro


São cinco os sentidos, muito bem estudados e conhecidos de todos: visão, audição, olfato, tato e paladar. Costuma-se dizer que há um sexto sentido, comum às mulheres, capaz de identificar emoções, prever situações, solucionar problemas. Muitos chamam de intuição feminina.

É bem verdade que as representantes do dito "sexo frágil" muitas vezes se deparam com situações complicadas e encontram soluções rapidamente. Percebem de longe um problema, captam as variações de humor, os sentimentos alheios.

Afirmar que a mulher assim o faz por pura intuição seria negar a sua sensibilidade e porque não dizer a inteligência. Se não tivesse cérebro, ainda assim o faria? Por que não considerar que também as mulheres pensam e apesar de longos anos de opressão, desenvolvem a sua emoção e o seu intelecto. Se percebem algo, não foi irracionalmente. Se quando meninas desenham corações é porque assim foram direcionadas. Afinal de contas não é o coração o órgão do amor. Os nossos sentimentos são produzidos e controlados pelo nosso cérebro. E se amam tão bem, se são tão sensíveis, por que também não podem pensar?

Não acredito em intuição, sexto sentido. Quando um homem detecta e soluciona um problema é aclamado por todos como preparado e inteligente. Apenas as mulheres são intuitivas? Parece às vezes não existir qualquer lógica numa previsão humana. Será mesmo que não é possível perceber racionalmente que algo, alguém ou alguma situação nos poderá ser perigosa no futuro, que nos trará algum tipo de problema (mesmo que não possas ainda afirmar o quê ou porquê)?

Não discordo que as mulheres são sensíveis. Mas, são sensíveis porque são inteligentes ou inteligentes porque são sensíveis? Talvez nunca encontremos a resposta a essa pergunta, porém não fará diferença. O que importa é que todos fomos feitos à imagem e semelhança do criador: inteligentes, sensíveis; e nos foi dado o livre arbítrio, a capacidade de tomarmos nossas próprias decisões.


Ana Cristina Monteiro é médica dermatologista.