Garanhuns, 17 de setembro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

COLUNA DE ULISSES

Ulisses Pinto


DIA DA PÁTRIA - Ocorreu na manhã do dia 7 do corrente, data de nossa independência, tendo como ponto costumeiro, a Avenida Santo Antônio, em frente ao Palácio Celso Galvão.

Houve hasteamento das bandeiras (Brasil, Pernambuco e Garanhuns), a cargo dos tenentes coronéis Eudes Lima (71º B I Mtz, 9º BPM, ten. Cel. Aristóteles Pedrosa de Almeida) e Luiz Carlos, prefeito.

Após o ato acima, houve o desfile que contou com as presenças de Colégios, Escolas Públicas e particulares, assim como do 71º B I Mtz, 9ºBPM, Seção do Corpo de Bombeiros (todos com viaturas), além de armamentos.

O nosso Colégio Diocesano, Colégio Santa Joana D´arc e o "Padre Agobar Valença", foram os melhores, no parecer deste colunista. Elogios, também para a maçonaria (a Mensageiro do Bem, Bandeirantes da Ordem 37 e Unidos de Nazaré). Os cavaleiros da sua Associação, o desfile das bicicletas, de automóveis antigos, alguns deles com mais de 50 anos, foram também aplaudidos.

O radialista Luciano Andrade, fez a cobertura no palanque das autoridades, com muita sabedoria.

A banda de música do "Btl. Duarte Coelho", participou do evento cívico militar. Temos esperança que o chefe do executivo, faça uma "força" para no ano vindouro (ano das eleições), a fim de nossa terra ter sua banda de música. Já tivemos três em 1935 e 36.

O prefeito Luiz Carlos, seu vice Almir Penaforte, a deputada Aurora Crsitina Duarte e o seu esposo, Silvino Duarte, ex-prefeito, o presidente da Câmara, Sivaldo Albino, e vereadores, secretariado e outras autoridades, estiveram no palanque oficial da prefeitura, como sempre.

Lamentamos as ausências dos colégios 15 de Novembro, Santa Sofia e Mons. Adelmar Valença, que atual diretora, erradamente gosta que o chame de CMA (Por que isto?).


AGRADECIMENTO - O padre Marcelo Protásio, Vigário Geral da Diocese de Garanhuns, ao celebrar a missa de 7º dia do saudoso amigo Alberto da Silva Rego, falecido há dias em Fortaleza, leu um poema já inserido há tempos neste jornal, por Ulisses, autor desta coluna. Eis a poesia do Alberto Rego, pronunciado na Catedral de Santo Antônio durante a missa do dia 1º do corrente: "O Ser - Há, pela manhã / Um hino de beleza / É a criança / Ao meio dia / Um sonho de alegria / É a mocidade / Chega à noite / Recordação do passado / É a velhice /." No livro do escritor Alberto Rego, intitulado "Os Aldeões de Garanhuns", consta este bonito e sentimental trabalho da lavra do poeta e escritor desaparecido, numa Casa de Saúde. Era garanhuense de "corpo e alma", viúvo, com 88 anos de idade.

O vereador Zé de Vilaço vai apresentar projeto dando uma rua com o seu honrado nome. Sempre houve entre nós uma grande amizade. Havia divergência pois o Alberto era capaz de morrer por Lula, o nosso presidente, que está sofrendo muito por causa de maus momentos que passa o país. Esperamos que as "coisas" melhorem, principalmente no Congresso brasileiro. Este é o nosso desejo.


CENTRO DE ESTUDOS - Em dias do mês passado, no Recife, a convite da Sra. Eleny Pinto da Silveira, presidente do Centro de Estudos de História Municipal (rua Barão de São Borba, 526 - Boa Vista - Recife) participamos da solenidade comemorativa do 29º aniversário do aludido Centro, que constou com a aposição de retratos dos historiadores José Aragão Bezerra Cavalcanti e padre Petronilo da Cunha Pedrosa, tendo falado alguns familiares e o lançamento do livro "Retrato da família Almeida da Casa de Alagoinha", de autoria de Gilvan de Almeida Maciel e Maria do Monte de Almeida Maciel ( volume nº 24, da Coleção Tempo Municipal), do programa editorial do CEMH.

O dedicado amigo e denodado dr. Miguel Meira de Vasconcelos, foi como sempre a "mola mestra" desse conclave, onde compareceram quase uma centenas de escritores como Belarmino de Souza Neto, Raul Aquino, pai da grande amiga Roseane, esposa do coronel Carlos Maurício Melo, depois de comandar o 71º B I Mtz, está agora no gabinete do Comandante do Exército (Brasília), Carlos Bezerra Cavalcanti, Geraldo Ferraz de Sá Torres Filho, avô do ten cel Theóphanes Ferraz Torres, um dos bravos na nossa Polícia Militar. Como tenente, após a famosa Hecatombe de Garanhuns, veio a serviço para evitar outra hecatombe, em 1917. Geraldo, é ao que aparece, o mais novo em idade em escrever histórias em livros de bravos guerreiros como o seu avô, que prendeu Antônio Silvino, um dos grandes bandidos do nosso estado, mas que morreu em uma cama. Todos os autores acima, são amigos. São figuras simples, mas que engradecem o nosso "Leão do Norte".


NOVOS CIDADÃOS DE GARANHUNS - Quando circular este jornal, Garanhuns terá novos possuidores de cidadania local, através do poder legislativo local.