Garanhuns, 17 de setembro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Biblioteca pública gera conflito

Funcionários do município que trabalham na Biblioteca Pública Municipal, instalada no Parque Euclides Dourado, denunciaram à imprensa a tentativa de fechamento do órgão da prefeitura, no horário noturno. Os servidores se movimentaram ligando para as rádios e redações de jornais locais e até freqüentadores do espaço se posicionaram, temendo ficar privados da fonte de pesquisa e consulta durante à noite.

Diante do conflito e da polêmica, o ouvidor-geral da prefeitura, Gerson Carvalho, conhecido como Gersinho, também foi procurado e depois de uma conversa com o prefeito Luiz Carlos passou uma semana freqüentando a biblioteca. Constatou que a mesma tem um público pelo menos razoável durante todas as noites e garantiu ,pelo Jornal da Sete Segunda Edição, na FM Sete Colinas, que o horário noturno no espaço do Euclides Dourado será mantido.

Mesmo depois da entrevista de Gersinho no rádio, servidores continuaram ligando e insistindo que a biblioteca pública corria perigo de fechamento. A reportagem conversou então com o diretor de cultura, João Marques, que também afastou a possibilidade da casa fechar as portas durante a noite. "A freqüencia é regular e o prefeito manterá o horário noturno", garantiu o responsável pela área cultural do município.

Segundo João Marques, toda a confusão foi gerada por um pequeno grupo de funcionários que estão defendendo seus próprio interesses. O diretor de cultura revelou que 14 servidores estão lotados na Biblioteca Pública, número considerado excessivo pelo prefeito Luiz Carlos de Oliveira. "Eu disse ao prefeito que sete funcionários são suficientes e alguns servidores terão mesmo de ser localizados em outro setor. Não é justo que uma pessoa trabalhe cinco horas, de manhã ou à tarde, enquanto o pessoal da noite tem jornada de apenas duas horas", explicou João Marques.

A biblioteca do município tem atualmente um acervo de 12 a 15 mil livros e funciona no Parque Euclides Dourado desde o início do primeiro governo de Silvino Andrade. Antes, funcionou no prédio da prefeitura, na Avenida Santo Antônio, e no Centro Cultural. Tanto Gerson Carvalho quanto João Marques informaram que a idéia do prefeito Luiz Carlos é fortalecer a biblioteca com a aquisição de mais livros e a instalação de mais computadores ligados à internet.