Garanhuns, 17 de setembro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Professores brigam pela direção das escolas estaduais

Em Garanhuns e no restante do Estado acontece na próxima quarta-feira, dia 21, a eleição para escolha dos novos dirigentes das escolas da rede pública. Instituído pelo ex-secretário de Educação, Raul Henry, o processo de escola democrática chega agora a terceira etapa, com campanhas acirradas em muitos estabelecimentos de ensino, graças ao envolvimento de professores, estudantes, pais de alunos e funcionários dos colégios estaduais da região metropolitana e interior.

Na Suíça Pernambucana, a eleição está bastante disputada em escolas como a Dom João da Mata Amaral, na Boa Vista, a Simoa Gomes, na Cohab II e a São José, no bairro do mesmo nome. Nas duas primeiras são dois candidatos por estabelecimento de ensino e na última três candidatos tentam chegar ao cargo de diretor pelo voto. Em outros educandários, como o Estadual Jerônimo Gueiros (centro), Henrique Dias (Heliópolis) e Virgem do Socorro (Cohab I) as campanhas estão sendo feitas com candidato único.

Em Capoeiras, a 24 km de Garanhuns, a campanha pela direção da Escola Nossa Senhora Pérpetuo Socorro mais parece uma eleição pela prefeitura. Tanto que até o prefeito do município, Maurílio Rodolfo (PFL) está apoiando abertamente o professor Agostinho Jessé, seu aliado político. Este ainda tem ao seu lado o pároco da cidade, Geraldo Batista, que até na hora da missa se posiciona pelo seu candidato. O outro concorrente é a professora Rosana Neves, que mesmo tendo essas duas forças contra si acredita na vitória, convencida de que tem ao seu lado a maioria dos professores e alunos.

DISPUTA - Uma das eleições mais disputadas nas escolas de Garanhuns é a do Colégio Simoa Gomes, na Cohab II. Concorrem ao cargo de gestora as professoras Ana Lúcia de Morais Silva Veloso e Antônia de Oliveira Policarpo. A primeira é atualmente diretora interina e trabalha no educandário há cinco anos, morando nas proximidades do João da Mata. A segunda já está no educandário há mais de 10 anos e há 12 reside no Conjunto Residencial Francisco Figueira.

Antônia disse que resolveu disputar a eleição para tentar levar adiante um processo de mudanças na escola. Ela acredita que a educação é o grande veículo de transformação da comunidade e vê possilidades de fazer um trabalho inovador do ponto de vista pedagógico. "A parte física da escola depende muito do governo", afirma a professora. No caso de vitória, a profissional de ensino pretende resolver um dos problemas mais sérios da escola (a ausência de professores na sala de aula), através do diálogo, mas adianta que não exitará também em tomar medidas mais duras.

Já Ana Lúcia de Morais confessou ter saído candidata por conta do trabalho desenvolvido atualmente. Ela defende uma continuidade do que vem sendo feito, porém garante que no caso de vitória algumas mudanças serão realizadas em sua gestão. "O processo de eleição direto é positivo, porque antes havia uma imposição e agora a comunidade escolhe e se não der certo pode tirar o diretor", observou Ana Lúcia. Apontada por alguns professores ligados a outra chapa de ser a candidata preferida da Geres, ela negou este fato, dizendo que a campanha é feita totalmente na comunidade, sem ingerência política.

Tanto na Cohab II quanto nos outros bairros de Garanhuns e em outras cidades a campanha vem sendo feita através de porta a porta, faixas, carros de som, nos corredores das escolas e salas de aula e também com a promoção de debates incentivados pela própria Secretaria de Educação. Confira, ao lado o quadro com os nomes dos candidatos ao cargo de diretor nas escolas da cidade.