Garanhuns, 3 de setembro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Cadeia Pública precisa de nova reforma

A promotoria da Defesa e Cidadania promoveu na manhã da última quinta-feira, uma audiência pública para discutir a situação da cadeia municipal, que enfrenta problemas como superlotação da população carcerária e a necessidade urgente de uma nova reforma. O encontro aconteceu no plenário da Câmara de Vereadores e reuniu autoridades, lideranças comunitárias e a sociedade em geral. A iniciativa surgiu diante das constantes reclamações feitas por familiares de alguns detentos, com relação as condições sub-humanas a que os presos estão se submetendo atualmente.

De acordo com o promotor Alexandre Bezerra, o quadro atual da cadeia lembra a situação vivida há cerca de três anos, quando foi preciso uma interferência do MP junto ao Governo do Estado para solucionar o problema de superlotação e exigir a execução de uma reforma no local. "O Ministério Público sugeriu que a cadeia de Garanhuns atenda essencialmente a demanda de Garanhuns, Paranatama e Brejão, evitando assim que presos de outras regiões do Estado ocupem as dependências da unidade como está acontecendo", disse o promotor, acreditando que a medida possa amenizar o problema da superlotação. Ele disse ainda, que é fundamental haver a transferência dos presos que já foram julgados e condenados para os presídios de Canhotinho e Pesqueira, por exemplo.

A ampliação do espaço físico da cadeia é praticamente impossível, já que o prédio fica localizado numa área urbana, isto é, cercado de residências. "A única saída seria a retirada da cadeia do bairro Aluísio Pinto", disse Alexandre, defendendo a construção da unidade prisional numa área afastada da zona urbana.