Garanhuns, 30 de julho de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Os Golpes da Nossa Terra

Pedro Jorge Valença


O mês de Julho foi pródigo no aparecimento de grandes golpes envolvendo Ministros, Parlamentares e Empresários e como não podia deixar de ser, ocupou os espaços da mídia de todo o Brasil e salpicando a imagem do nosso País para o resto do Planeta.

Saibam os mais jovens que Garanhuns, no passado, também teve os seus pequenos golpes e se não atingiram os noticiários, tiveram genialidades na sua criação.

Um malandro famoso, conseguiu vender o Pau Pombo, juntamente com algumas vacas que pastavam próximo da entrada do Parque. O mesmo "artista" vendeu a concessão da energia que passaria pela Torre de Paulo Afonso e seria localizada na frente da residência de um matuto de Frexeiras. Outro simulou uma "Botija" e conseguiu ludibriar um pequeno produtor que vendeu seu rebanho, para financiar a viagem do malandro que iria para o Rio de Janeiro, conseguir permissão do Presidente Getúlio Vargas para venda do ouro encontrado. O ouro que ficou como garantia logo "enferrujou" e o otário ficou calado. O golpe ocorreu perto do local onde nasceu o Presidente Lula.

Os "malandros" de Garanhuns também foram passados para trás. Um carioca, numa mesa de jogo, ofereceu umas notas falsas perfeitas, para teste, "trocando algumas" no Banco do Brasil, fechado o negócio ficando uma nota verdadeira para três falsas, a entrega seria a noite, no Aeroporto no Recife. Dinheiro de um lado "maleta" do outro e o carioca partiu num avião de carreira e os "novos milionários" voltaram para Garanhuns. Na serra das Russas, foram conferir o "tesouro" que só tinha a primeira camada de dinheiro o restante era papel de jornal. O resultado foi que três comerciantes locais quebraram misteriosamente do dia para noite. Uma variação do "Conto do Paco" foi aplicado mais uma vez!

São Pedro não podia faltar na relação da malandragem e também foi coroado com um conterrâneo que era um exímio jogador de baralho e ganhava todas as paradas no "jogo das três cartas" e a "tapia" que ele chamava de "Luz" era sua esposa. Certa vez ele tomou todo o dinheiro de um otário, que ficou preocupado como ia justificar a seu pai a falta do dinheiro e a solução foi dar a carteira à "Luz" furar o bolso e dizer que perdeu o dinheiro.

Orlando Paulino, também de São Pedro, depois que levou umas facadas, resolveu deixar a Vila, voltando depois de alguns anos, transvertido no "Nego Veio da Bahia" descobrindo o passado, presente e futuro. Montou uma "Tenda em Garanhuns" e ludibriava todo mundo, deixando o domingo livre, quando voltava para rever os conterrâneos. Só foi descoberto porque uma senhora foi com o filho para levar uns passes e deixar de beber, e quase que acaba com o ganha pão do Pai de Santo, quando falou espantada: É seu Paulino!

Não tenho conhecimento se naquele tempo tinha alguma Igreja do tipo "Pegue e Pague" pois a formação religiosa tanto Evangélica como Católica era bem fundamentada.

Na política não existia o atual "mensalão" e não corria um dinheiro por fora, entretanto não deixava de haver casos folclóricos que entraram para a história. A Presidência da Câmara de Vereadores estava sendo disputada por todos e de comum acordo ficou certo que seria disputada numa partida de dados. Entre os candidatos tinha um exímio jogador que "palmiou o bosó" e tirou um par de senas, ganhando folgado a disputa. Como em jogo não há honra, no dia da votação houve uma traição e o eleito foi outro.

Como o lesado é sempre uma pessoa que procura levar vantagem, ninguém foi preso ou punido, ao contrário de hoje que de frente dá logo CPI, Polícia Federal e Ministério Público que no final pode dar ate em nada, mas os envolvidos aparecem na mídia.

Assim estou avisando a alguns pecuaristas que parem de se vangloriar na frente das câmaras de televisão, dizendo heresias e aumentando exageradamente sua produção, essa pratica verossímil, pode trazer prejuízos irreparáveis já que a venda dos queijos, com exceção do tipo coalho, são sujeitos a cobrança de ICMS com índices de 18%. Vamos moderar nas entrevistas para que a Secretaria da Fazenda não pense que está havendo uma sonegação desenfreada. Calma com o andor. Um aviso: o Leite Pasteurizado é isento de ICMS. Nem vem que não tem...