Garanhuns, 16 de julho de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Meu "zuvido" não é penico

Altamir Pinheiro


Usando-se de um direito e exercendo um dever a preocupação de qualquer meio de comunicação que tenha um razoável senso de observação é defender o bem estar de sua comunidade, levantar dúvidas, denunciar erros, corrigir equívocos e exigir retificações. Afinal de contas, o jornalismo responsável e combatente tem função social antes de ser negócio. Pois bem, vamos ao que nos interessa: tem um magote de pestinhas enfezados que andam com uns carrinhos de mão, vendendo cd´s piratas que além da sonegação fiscal, a poluição sonora no centro de Garanhuns está chegando às raias do absurdo. A sociedade civil desta cidade, talvez esgotada em sua capacidade de se indignar e cobrar os seus direitos perante as "chamadas otoridades", encontram-se feito aquilo n`água, boiando e sem saber o destino a tomar. Como torturados que somos pelo excesso de som, formamos uma minoria sem defensores nem direitos reconhecidos. O que fazer? Queixar-se ao Bispo? Sabe-se muito bem que esses sujeitinhos de som de rua adoram um fuá. Jamais viram falar na lei dos decibéis e, se sabem ou não, simplesmente a ignoram. O povo que se lixe e conviva com uma sensação acústica ensurdecedora correndo o risco de estourar seus tímpanos. Se já não bastasse o nível das melodias executadas nos pontos onde há um maior fluxo de gente como também nas pistas e calçamentos afora, a zoada estridente é ainda maior. Eles estão soltos na buraqueira feito Toyota de pobre. Tá na hora de dar um basta nisso! É preciso tomar uma posição enérgica! E principalmente ser necessário tratar essa tropa de pixote na base da ordem unida, porque a coisa agandaiou-se.

E não é por falta de advertência, é simplesmente por falta de providência. Quer dizer, tá na base do disse, ninguém sabe ninguém viu. Sinceramente, a solução é tão simples que nos sentimos constrangidos a ensiná-la. Enquanto as "otoridades" não se pronunciam a respeito dessa pouca vergonha, o tempo corre a favor de ninguém. Daí, pergunta-se outra vez: o que fazer? Queixar-se ao bispo? Porque à Câmara de Vereadores torna-se desnecessário recorrer, em razão de, lamentavelmente, não termos ainda esse órgão em nosso município; quanto à Delegacia de Polícia, também não pode, haja vista, eles estarem bastante atarefados em zerar por completo os latrocínios, os arrombamentos de residências e os crimes de armas de fogo que ocasionalmente ocorrem nas cercanias da cidade e farão isso a todo custo. Inclusive, Garanhuns é uma cidade de terceiro mundo que vai ostentar uma posição invejável de primeiro.

No campo da violência urbana vamos nos equiparar a países como a Dinamarca, Finlândia e Suécia, Aluízio Alves que o diga. A criminalidade em Garanhuns se não tá, com certeza, vai ficar zero bala; se nos dirigirmos ao autêntico defensor da sociedade que é o Ministério Público, aí, de imediato, é humanamente impossível angariarmos êxito. Os promotores de justiça fazendo uso da conhecida eficiência exemplar estão totalmente envolvidos na árdua tarefa de acelerar os pareceres de seus processos que se encontram avolumados nas suas respectivas varas e não sobraria sequer uma nesguinha de tempo para combater os trombadinhas do som de rua. Isso, fica bastante claro e evidenciado. Apesar de nossa discórdia não ter caráter ofensivo, a verdade nua e crua é que existem alguns desses folgados homens de preto que ao invés de estarem no batente, fazendo serão nos feriados e finais de semana, preferem politicar, biritar (que ninguém é de ferro) e levar poste no peito altas horas da noite. E o que dizer do prefeito? Esse, nem pensar! Ele, acertadamente, está totalmente envolvido em trazer megaprojetos para Garanhuns. Vai transformar, disso não temos a menor sombra de dúvida, as nossas serras, chapadas e colinas em verdadeiros alpes suíços. Inclusive, com direito a neve, estação de esqui e, de quebra, a meninada vai fazer a festa construindo bonequinhos de gelo. Quem sabe se não é dessa vez que o bondinho periférico de Paulo Camelo será implantado. Aos diabos os poderes que não podem!!!