Garanhuns, 16 de julho de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Justiça e preferência

Odete Melo de Souza


Quanto encanto presenciamos nos sonhos e desempenho dos jovens com sua destreza, elegância, beleza!...

Quanto respeito e veneração deveríamos dispensar ao equilíbrio, experiência e sabedoria dos adultos e idosos!...

A juventude é efêmera. A maturidade é perene.

O nosso "irmão tempo", usando a expressão do grande Santo de Assis "é inexorável. Passa igual para todos."

Portanto, não é mérito ser jovem, nem crime, ser adulto ou idoso.

E acrescentemos ainda que é sentença divina: nascer, crescer, envelhecer e morrer.

Entretanto, verificamos muitas vezes que esta inconteste realidade é ignorada, desconhecida, ou melhor, desrespeitada por muitos.

Pois, atualmente, observamos com frequência nas repartições, empresas, na sociedade, no ambiente familiar e até nos eventos uma injusta preferência pelos jovens.

Admitem-se e promovem-se constantemente candidatos a cargos, postos, gestão, pelo critério inescrupuloso do aspecto físico, envolvendo o que se intitula de "boa aparência", isto é, rosto bonito, corpo escultural, sorriso contagiante, atração pessoal.

A verdadeira beleza e real valor não se encontram no exterior das pessoas, mas no fundo dos seus corações, no íntimo das suas almas, no segredo da sua consciência e inteligência.

Não queremos de forma alguma preterir nem condenar a preferência pelos jovens, porque a eles poderão estar aliadas as mais belas, perfeitas e completas qualildades e virtudes, total preparo e pleno conhecimento exigido para um excepcional desempenho do seu serviço.

O que com certeza constitui a mais hedionda injustiça é o terrível prejudicar a ascensão profissional de um adulto, na maioria das vezes de conduta irrepreensível, vasto conhecimento da "história da vida" e invejável sabedoria. E ainda, que tanto já contribuiu para o crescimento do seu ambiente de trabalho, imputando-lhe apenas como empecilho, a idade.

Evoquemos aqui as palavras do Eclesiastes: muitas vezes a injustiça ocupa o lugar do direito e a iniquidade ocupa o lugar da justiça.

Que as oportunidades sejam concedidas conforme a capacidade de cada um, quer jovem ou adulto.

Lembremos que nada do presente prescinde do passado.

Todas as grandes invenções atuais fundamentam-se nas diretrizes primeiras dos seus idealizadores.

"O homem é o futuro do homem".

Todas as flores do hoje são sementes dos "ontens".

O jovem precisa incondicionalmente da experiência, da orientação, do amor e do saber do adulto.

Não contemos a nossa idade pelos anos, mas pela aquisição de riqueza e do valor dos três CCC - Conhecimento, Caráter e Caridade.

Devemos prosperar sempre pelo autêntico merecimento e nunca pela injusta proteção.

Enfim, deixemos aqui um veemente apelo aos responsáveis pelo destino profissional dos trabalhadores:

Que sua preferência, escolha ou indicação seja justa e orientada pela lisura de suas íntegras convicções pessoais.

A justiça alegra e agrada a Deus.

A justiça é imposta e abençoada por Deus.

A justiça é lei de Deus e dos homens.