Garanhuns, 16 de julho de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
ESPECIAL
 

LAFEPE

O Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco retomou a fabricação de medicamentos usados no tratamento da tuberculose - os Isoniazida + Rifampicina; Pirazinamida e Isoniazida - após concluir as obras de reforma em sua fábrica. Até o final do ano serão produzidas 20 milhões de cápsulas do composto. "Nossa fábrica teve que passar por algumas reformas para poder se adequar às novas exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Após a conclusão dos serviços, recebemos a visita dos representantes da Anvisa que constataram e aprovaram todo o trabalho realizado", disse o presidente do laboratório, Luís Alexandre Almeida.

Ele informou que os medicamentos, que terão toda a produção repassada ao Ministério da Saúde para compor o elenco de remédios do Programa de Pneumologia - serão fornecidos em cápsulas e comprimidos. Destacou ainda a atenção que é dada pelo laboratório estadual a doenças negligenciadas pelo setor privado de produção de remédios no País.

Embora sendo uma doença negligenciada, a tuberculose está presente em todo o mundo. Mais de 80% dos casos concentram-se em países pobres e em desenvolvimento. Cerca de 30% da população mundial está infectada e pode desenvolver a doença. No Brasil, o número de infectados chega a 50 milhões de pessoas, com uma média de 5,5 mil óbitos por ano. São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais e Rio Grande do Sul são os Estados brasileiros que apresentaram o maior número de novos casos, nos últimos anos.