Garanhuns, 2 de julho de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

CORREIO POLÍTICO

Roberto Almeida


O FIASCO DE LULA

Torpedeado pelos próprios aliados, bombardeado pela mídia e acuado pelas CPIs, o Governo Lula dá a sensação de que já terminou. É uma pena. Depois de renovar o sindicalismo brasileiro, enfrentar a ditadura, fundar um partido de base operária, perder três eleições e por fim chegar à presidência da República, o conterrâneo bem que merecia ir mais longe. Mas como em política tudo é possível, quem sabe o pernambucano dá a volta por cima e emplaca a reeleição.


REFORMA

Pessoas próximas a Luiz Carlos acreditam que depois do Festival de Inverno o prefeito fará novas mudanças no secretariado. Os setores mais vulneráveis seriam os de Administração e de Agricultura.


É FRIA

Uma das secretaria mais criticadas da gestão de Luiz Carlos é a de Serviços Públicos (Obras). Mas como o Eber Frias é amigo do prefeito e pessoa de sua inteira confiança, pouca gente aposta na sua saída do cargo.


REMANEJAMENTO

Nas mudanças que o prefeito pretende fazer, algumas pessoas poderão ter uma nova chance através de um remanejamento. Assim, o Rafael Lima, que é agrônomo, poderia trocar a secretaria de Administração pela de Agricultura. Luiz também poderia colocar o Frias mais próximo de si e nomear um secretário de Obras mais ágil.


PONTOS FORTES

O ouvidor geral da prefeitura, Gersinho, lamenta que dois pontos fortes do Governo Luiz não estejam sendo bem explorados pela equipe responsável pela comunicação: a imagem de homem de bem do peemedebista e o carisma e simpatia da primeira dama, Geni Oliveira.


NEPOTISMO I

Os vereadores de Garanhuns bem que podiam seguir o exemplo dos colegas de Jaboatão dos Guararapes e Carpina, acabando com o nepotismo no município. Qualquer um dos 15 vereadores pode apresentar o projeto proibindo a contratação de parentes no Legislativo e Executivo. Seria um bom exemplo e daria mídia estadual e talvez até nacional.


NEPOTISMO II

O próprio presidente da Câmara, vereador Sivaldo Albino, autor de belas iniciativas, como a que acabou com as votações secretas na Casa Raimundo de Moraes e a que leva o Legislativo aos bairros e distritos, podia chamar pra si essa responsabilidade. Com a liderança que tem entre os colegas, certamente conseguiria a aprovação do projeto anti-nepotismo sem dificuldade.


SILVINO É...

O ex-prefeito Silvino Andrade (PMDB) disse a aliados de Garanhuns que é candidato a deputado federal. Mas o secretário de Planejamento do Governo Jarbas, Raul Henry, confidenciou a um grupo de políticos do Agreste que "tem certeza" da candidatura de Silvino a estadual. Estaria até conversando com o ex-prefeito em torno de uma dobradinha entre os dois, aqui na terra das sete colinas.


REELEIÇÃO GARANTIDA

Otimista com a campanha do próximo ano, Izaías Régis tem dito e redito que será reeleito sem maiores problemas em 2006. Recentemente, numa emissora de rádio, o petebista trocou farpas com Silvino e insinuou que as obras da Praça da Bandeira, na frente do Colégio Diocesano, foram super faturadas.


ZÉ DA LUZ 2008

Carros de som percorreram ruas do centro e da periferia de Garanhuns, no mês de junho, fazendo propaganda das festas de São João e São Pedro na cidade vizinha. Zé da Luz não perde tempo e já está de olho em 2008. Aos pouquinhos vai divulgando seu nome na Suíça Pernambucana.


TESTE

O Festival de Inverno é teste de fogo para o secretário de Turismo da prefeitura, Júlio César. É bom lembrar que na programação do Santo Antônio as falhas foram gritantes e o próprio prefeito Luiz Carlos, numa entrevista a Rádio Marano, reconheceu os erros do assessor.


TELEFONEMAS

O ex-prefeito de Garanhuns, Silvino Andrade, andou telefonando para o empresário Luiz Claudino, o Dudu. Está de olho nos quase cinco mil e 500 votos que o tucano teve em Capoeiras, na eleição passada.


MENDONCINHA

Os ventos estão soprando a favor do provável candidato do PFL ao Governo do Estado, Mendonça Filho. A crise envolvendo o PT prejudica o nome de Humberto Costa, que deixará o ministério fragilizado e com poucas chances de vitória. Do jeito que está, João Paulo nem entra nessa briga e, no âmbito interno, da aliança jarbista, Sérgio Guerra parece já ter jogado a toalha.