Garanhuns, 18 de junho de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Assembléia Legislativa faz homenagem a Amílcar

Por iniciativa do deputado estadual Romário Dias (PFL), a Assembléia Legislativa de Pernambuco homenageou o ex-prefeito de Garanhuns, Amílcar da Mota Valença, na passagem dos seus 90 anos de idade, em maio passado. O pefelista apresentou um voto de congratulações com o político garanhuense e usou a tribuna para fazer um longo discurso registrando a trajetória de Amílcar.

Romário Dias lembrou que o ex-prefeito nasceu em Garanhuns, no dia 19 de maio de 1915, na antiga casa de nº 34, na Rua João Pessoa. "Filho de Abílio Camilo Valença e Emília da Mota, veio a se tornar, pelo seu espírito empreendedor, um dos homens públicos mais dignos da história do município, um exemplo de honradez no trato da coisa pública", destacou o presidente do Legislativo Estadual.

O deputado citou em seu pronunciamento os irmãos de Amílcar Valença, ressaltando o trabalho realizado no Colégio Diocesano pelo monsenhor Adelmar da Mota Valença. "Teve entre seus irmãos dois sacerdotes, padre Agobar, que faleceu muito jovem e o lendário educador monsenhor Adelmar , cuja obra educacional transpôs os limites de Garanhuns", disse, enumerando ainda os nomes dos outros filhos de Abílio e Emília: Alódia, Arlinda, Alcina, Almira, Asnar, Arminda e Anita, os três últimos ainda vivos, como Amílcar.

Segundo Romário Dias, o ex-prefeito da terra das sete colinas tinha um caráter indômito desde a infância, tendo estudado no Colégio Salesiano, no Recife. Na capital, também aprendeu música e tipografia. Retornando a Garanhuns, serviu no tiro de guerra e continuou seus estudos no Diocesano. "Amílcar aprendeu com o pai, agricultor e pecuarista de São Pedro, a lidar com os árduos serviços da fazenda, auxiliando-o na labuta cotidiana que era imprescindível para manter codignamente a família", historiou o parlamentar.

Seguindo seu relato, o deputado informou que aos 19 anos de idade Amílcar casou-se com Deolinda Silvestre Valença, a "Mãe Dora, do distrito de São Pedro, que sempre o apoiou de forma decisiva e inconteste em todos os momentos, sendo reconhecidamente o seu maior suporte tanto nas suas atividades laboriais como na sua vida política".

ATIVIDADES - Romário Dias enfatizou as atividades exercidas pelo ex-prefeito, como transportador, comerciante e industrial, até se estabelecer em São Pedro com o ramo de padaria, mercearia e venda de tecidos. "Implantou ainda uma bem montada fábrica de queijos e manteiga; proprietário de um caminhão, ele mesmo dirigia o seu veículo, transportando as mercadorias adquiridas para o seu estabelecimento comercial, os produtos de suas atividades industriais, inclusive de uma pedreira, que ele explorava, ou mesmo como motorista profissional, no transporte de mercadorias de terceiros"

A partir daí, o presidente da Assembléia começa a historiar a entrada de Amílcar Valença na política, quando se elegeu vereador em 1947, tendo sido reeleito em 51 e 55. "Não concorreu em 1959 por entender que a vez pertencia, por merecimento, ao seu amigo Hermínio Sampaio, para quem reivindicou apoio pleno do seu eleitorado".

Em 1963, Amílcar Valença seria eleito prefeito de Garanhuns, obtendo uma vitória consadradora em todas as urnas. Conseguiu um segundo mandato em 1973, realizando nas duas oportunidades administrações marcantes. "Realizou obras estruturadoras de grande vulto que bem demonstraram sua capacidade de um competente administrador entremeada com a de um grande estadista. No âmbito da educação, criou o Colégio Municipal Padre Agobar Valença, que chegou, em determinada época, a atingir a invejável marca de 3.000 alunos matriculados, e a FAGA - Faculdade de Administração de Garanhuns, primeiro passo que foi dado para atender às necessidades de implantação do ensino de terceiro grau no município", afirmou Romário.

O representante do Agreste Meridional na Assembléia Legislativa ainda enfatizou outras ações de Amílcar como prefeito, citou os prêmios, alguns até internacionais que o político recebeu e finalizou justificando a homenagem. "Por tudo que representa e representou na política e no seu meritório trajeto de vida como cidadão de bem, voltado para o bem comum, e sem dúvida merecedor de nossas homenagens. Uns passam pela vida, outros como Amílcar, vivem a vida na sua plenitude, fazendo dela reflexo de paz e de exemplo para melhoria de outras vidas, em comunhão com outros cidadãos. Sem dúvida nenhuma, merece Amílcar Valença o respeito dos pernambucanos. Que esta augusta Casa de Joaquim Nabuco, muito justamente como representante maior de todos os pernambucanos, tributa a este notável homem público, pelos seus 90 anos de uma vida plena de exemplos".