Garanhuns, 4 de junho de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Secretário desmente desapreço à mídia

O secretário de Comunicação da Prefeitura, Marcos Régis, desmentiu a informação de que profissionais de sua pasta procuram convencer o prefeito Luiz Carlos a não fazer investimentos na mídia local. Segundo Marcos, quatro pessoas são responsáveis pelo setor de imprensa do Governo Municipal e todas elas têm consciência da importância da divulgação de notícias pelas rádios e jornais da cidade. Na íntegra, a nota do secretário diz o seguinte:

"Em resposta ao tópico "COMUNICAÇÃO?", publicado na Coluna Correio Político, editada pelo jornalista Roberto Almeida, na Edição nº 145 Ano VII do Jornal Correio Sete Colinas, registro o seguinte:

"Não precisa ser gênio para reconhecer que investir em comunicação é fundamental para o sucesso de uma administração pública, seja em qualquer das suas esferas. Para tanto, a Secretaria de Comunicação Social da Prefeitura de Garanhuns, digo: todos os seus componentes, e principalmente, o prefeito Luiz Carlos de Oliveira comungam desse pensamento, e se mostram empenhados em celebrar convênios com os órgãos de comunicação do Município, visando divulgar todas as ações do Governo Municipal, bem como a expressiva carga de material jornalístico produzido por esta secretaria.

Marcos Fernando Silva Regis
Secretário


ESCLARECIMENTO DO EDITOR: A informação de que "duas pessoas" da Secretaria de Comunicação procuravam convencer o prefeito a não investir em publicidade nos foi passada por uma fonte da Prefeitura que julgamos confiável. Por outro lado, não temos porque duvidar da sinceridade do secretário Marcos Régis, que desde o início de seu trabalho tem procurado se relacionar bem com a Imprensa local. O que existe de concreto, contudo, é que até agora o Governo Luiz Carlos investiu muito pouco em publicidade nos veículos da cidade, ao contrário de outras administrações que passaram e de administrações de municípios vizinhos, todos de menor porte. Esperamos sinceramente que a mídia local seja valorizada e que as rádios e jornais (alguns até circulando com extrema dificuldade, sem periodicidade definida) possam continuar prestando serviços à sociedade. Está claro que a imprensa precisa do Poder Público, seja aqui, no Recife ou na capital federal, porém o governo também precisa da mídia. Já dizia Rui Barbosa que um país se faz com homens e idéias. E hoje, mas do que nunca, as idéias estão nos nos livros, nos jornais, nas rádios, nos que se dedicam a comunicar e a informar.