Garanhuns, 4 de junho de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CULTURA
 

Nelson da Rabeca traz a música do Sertão ao Sesc

O projeto Sonora Brasil - Circuito Nacional de Música traz a Garanhuns o músico alagoano Nelson da Rabeca, que fará uma única apresentação na próxima segunda-feira, dia seis, às 20h horas, no salão de eventos do SESC. Compositor, artesão e rabequeiro, Nelson é um virtuose do "violino brasileiro" e chega ao Estado acompanhado de uma banda com trombone, zabumba, triângulo e outros instrumentos de percussão, além da esposa Benedita dos Santos, cantora e compositora.

Nelson da Rabeca & Grupo baseiam seu trabalho na música do Brasil rural, principalmente de raiz nordestina, como o baião, o xaxado, o xote e a marcha. Como também, seu repertório possui composições da dupla Nelson e Benedita, além de canções de domínio público, o que não exclui da performance os elementos eruditos e a base harmônica da idade média que fazem parte das origens da música popular nacional.

Nascido em Marechal Deodoro, Nelson da Rabeca cria e constrói seus próprios instrumentos. Em plena atividade mesmo aos 70 anos, chega a Garanhuns depois de uma série de apresentações pelo Brasil afora.
Programa:
"Caranguejo Danado", de Nelson da Rabeca
"Xote Carinhoso", de Nelson da Rabeca
"Marcha Trupelada", de Nelson da Rabeca
"Adeus Rosinha", de Benedita dos Santos
"Solteirinho", de Benedita dos Santos
"Silence", de Nelson da Rabeca
"Forró que não Tem Instância Pesada", de Nelson da Rabeca
"Ai, Ai, Veja Só", tradição oral
"Cai Sereno Cai", de Benedita dos Santos
"Marcha de São João", de Nelson da Rabeca
"Flor da Palmeira", de Nelson da Rabeca
"Forró do Dedo Pinotado", de Nelson da Rabeca
"Xote Despendurado", de Nelson da Rabeca
"Forró Treze", de Nelson da Rabeca
"Baião Carinhoso", de Nelson da Rabeca
"Bate a Marcha seu Bombeiro", de Benedita dos Santos
"Cajueiro Pequenino", tradição oral (versão de Benedita dos Santos)

UM INTÉRPRETE DO BRASIL RURAL - Assim como as pelejas de cantadores e as histórias de encantamento dos poetas da "oralitura" do sertão, a música de Nelson da Rabeca representa a mais pura manifestação da cultura brasileira, gerada e favorecida pelas condições do meio, valorizada pelos fatores históricos determinantes.

Virtuose do "violino brasileiro", Nelson dos Santos, compositor, artesão e rabequeiro, exprime-se por uma linguagem própria, fazendo música através da livre reinterpretação de fontes muito antigas que remontam à práticas medievais ibéricas.

A sua obra musical compreende uma diversidade de gêneros musicais distintos, todos representativos da cultura rural do Nordeste brasileiro, englobando o baião, a marcha, o xote etc., entre peças de formas livres. Originalmente concebidas para o "toque" da rabeca, as composições apresentam desenvolvimento melódico sofisticado, bem como estruturas rítmicas elaboradas e métricas de grande inventiva, revelando claramente as fontes preexistentes a que se reportam, traduzidas, por exemplo, pelo uso sistemático de escalas modais, entre outros elementos formais da música medieval européia.

Equivale dizer que sua obra, espontânea, rica e diversificada, transpõe para o universo do povo procedimentos musicais cultos, tradicionais, presentes nas fontes melódicas e nos elementos formais de suas composições, ao mesmo tempo em que sintetiza a cultura rural do Nordeste brasileiro, e que por isto mesmo ultrapassa as fronteiras de seu próprio meio.

Dominando todos os processos de suas arte musical, do corte da jaqueira, da imbaúba, do mulungu e da gameleira, passando por todas as etapas específicas da construção de cada um de seus instrumentos, até a criação e interpretação de suas próprias composições, "Seu" Nelson trabalha apoiado em um saber secular, representando o ponto de chegada de conhecimentos muito antigos trazidos na bagagem dos colonizadores, diminuindo distâncias entre passado e presente, tradição e atualidade.

De forma análoga, as canções de Benedita dos Santos, sua esposa e companheira, representam o mundo regional Nordestino, remetendo-se ao universo local da vida e do trabalho, caracterizando modelos diferentes de organização social, como a rural tradicional. Da mesma forma, apresenta traços de medievalidade implícitos, presentificando ciclos narrativos do romanceiro tradicional das sociedades sem escrita da Europa de antanho, acentuando a diferença existente entre tempo social e tempo cronológico.

A música de Nelson da Rabeca e Benedita dos Santos tematiza o mundo rural contemporâneo, ao mesmo tempo em que traz à tona elementos da origem histórica do processo de colonização do País, revelando, nos intertextos, o grande espetáculo lúdico da miscigenação cultural do povo do Brasil, constituindo, portanto, valioso patrimônio para a cultura nacional.

Serviço :
Espetáculo: Nelson da Rabeca
Local: Sesc Garanhuns
Horário: 20h
Valor do Investimento: estudantes, comerciários e classe artística: R$ 4,00
Público em geral : R$ 6,00