Garanhuns, 21 de maio de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Tatuagens

Dra. Ana Cristina


Certo dia, ao examinar uma paciente por volta dos 70 anos de idade, percebi um "borrão" azul escuro no seu seio esquerdo.

Pensando poder tratar-se de lesão importante, examinando melhor, percebi que era apenas uma "tatuagem"". A paciente logo me interpelou, dizendo: - Ah! Dra., esta é minha borboleta de estimação!

Já toda sem graça pelo erro cometido, pensei se tratar de uma bela borboletinha que passeava pelo tórax da paciente, em plena juventude. Mas lembrava agora uma pobre mariposa em busca de um abrigo no umbigo daquele abdômen cansado.

É tão difícil perceber que ficaremos mais velhos e que, o dragão tatuado no "bíceps" de um jovem atleta irá se transformar em uma lagartixa cansada ao longo dos anos?

Além disso, não são poucos os casos de pessoas que se arrependem e trocam suas "belas" figuras por manchas ou cicatrizes.

Como é o caso de um bonito rapaz que tatuou uma enorme sereia, com cara de travesti na parte interna do seu braço musculoso. Perguntado sobre o porquê da escolha de parte tão escondida para aquela figura estranha, ele respondeu! - É que aqui não se vê muito! - Se não queria que vissem, por que você deixou que a tatuassem? - É que na minha turma, poucos não têm tatuagens!

Quantos nomes de eternos amores tatuados em tantas partes do corpo! E quantos namoros, noivados e casamentos desfeitos... E o que fazer se novos amores de nomes semelhantes não forem encontrados?

- Dra., a sra tem um "laser" aí, para retirar essa tatuagem?

Como se fosse o fato mais fácil e comum no meio dermatológico.

Não sabem que muitas vezes vão trocar uma "obra de arte", por uma cicatriz, algumas vezes muito feia ou acompanhada de um quelóide.

É papel do médico alertar os pacientes sobre os riscos e perigos desses ingênuos enfeitinhos.

O tempo pode ser cruel com as pessoas!

Quero finalizar dizendo que não sou contra as tatuagens, algumas são verdadeiras obras de arte. Mas, é preciso que as pessoas as encarem como algo definitivo, pois nem sempre é possível removê-las. E tenham consciência de que o tempo irá passar, nosso corpo sofrerá mudanças, mas as tatuagens ficarão...