Garanhuns, 21 de maio de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Amílcar e a Agropecuária

Pedro Jorge Valença


Tudo se iniciou quando uma Família de Portugueses chegou em São Bento do Una, em 1830, levadas pelos agitados movimentos da Independência do Brasil e se instalou naquele Município, dedicando-se a exploração da Pecuária de Leite. O Agreste se transformava, em decorrência da estagnação do Parque Açucareiro da Zona da Mata, partindo para levantar a exploração pastoril, principalmente à criação de Bovinos de Origem Leiteira.

Saindo de Pesqueira o seu Pai Abílio Camilo Valença se instalou em Garanhuns, e adquiriu uma propriedade às margens do Rio Canhoto, junto ao Distrito de São Pedro. Contribuindo para o casamento com Deolinda (Dona Dora) , filha de José Silvestre que vivia de Leite e tinha um ditado: "O melhor negócio do mundo é criar vaca em terra boa e o segundo é criar vaca em terra ruim"

Não durou muito adquiria a Fazenda São Pedro, iniciando uma das melhores seleções de Matrizes Leiteiras tendo comprado o reprodutor da Raça Holandesa Vermelho e Branca de nome Turista que cruzando com as ótimas vacas do seu plantel produziam excelentes novilhas que eram disputadas pelos criadores vindos do Ceará, Maranhão e Rio Grandes do Norte. Abandonando o refrão existente na época: "Vaca de Tostão Boi de Milhão."

Não satisfeito, comprou um plantel de vacas Holandesas vindas da Argentina, que reforçaram a produção de Leite, para atender a sua Fábrica de Queijo de Manteiga. Fabricando excelentes produtos que eram vendidos para o Recife.

Os maiores entraves da época era a falta de água no Verão, quando tinha de transportar diariamente quatro mil litros de água para matar a sede do seu rebanho e uma reserva de Palma Forrageira, o alimento básico da Região da Caatinga.

Como não concordava que "Boi com Sede Bebe Lama", comprou uma fonte no Sítio Matinhas, que ficava a quatro quilometro da Fazenda São Pedro, e construiu uma ousada adutora rompendo cortes de ate 4 metros e um reservatório em pedra com 200 mil litros da água. Estava sanados o primeiro problema e consciente que "Vaca com Palma e Água não Morre" partiu para plantar toda área da Fazenda com Palma Forrageira, reserva que dava condições para atender a todos os amigos que entravam em crise, sem receber nada pelo fornecimento. Nas Exposições de Animais eram separados três hectares para os participantes apanharem Palma graciosamente.

Quando no Centro Leste, a novidade era fazer a mestiçagem de vacas Holandesas com touros de Raça Zebuína, recebeu um presente do seu amigo Dr. Petronilo Santa Cruz: um touro da Raça Guzerá, da linhagem J,A., melhor seleção do Brasil. Os resultados eram lotes de Novilhas Pretas, que eram disputadas a peso de ouro nas Exposições que aconteciam na Região.

A mestiçagem com os Reprodutores da Raça Gir e Vacas Holandesas em Pernambuco, teve início na Fazenda São Pedro, quando ainda não se falava no Girolando.

As primeiras Algarobeiras da região foram plantadas na sua Fazenda, quando Jânio Quadros resolveu incentivar a cultura dessa leguminosa.

Seguindo à mania de fazer as obras superdimensionadas construiu um Silo Trincheira cujas dimensões eram as seguintes: largura 12 m ; comprimento 48 m e profundidade média 3 m. Passando mais de três semanas para encher, ocupando um batalhão de trabalhadores.

Convocado por Paulo Guerra, fez parte de uma elite que contribuiu com os recursos para adquirir a Sede da Sociedade Nordestina dos Criadores.

Os controles da produção do leite diários eram feitos religiosamente, como as coberturas e os registros oficiais dos animais de puro sangue.

A Fazenda São Pedro, foi vendida e comprada uma outra que pertenceu a Lola Branco, chamada de Caldeirões, onde existe uma área de 45 hectares de mata totalmente preservada.

Apesar da idade não se deixa dominar e semanalmente visita o imóvel, opinando sobre a qualidade do rebanho e orientando o manejo e conservação das pastagens.

A tradição de criador de gado leiteiro, não ficou só em Amílcar e dois dos seus filhos, continuaram com o trabalho de Pecuarista. Dois dos netos seguiram o mesmo caminho um é Engenheiro Agrônomo e outro Médico Veterinário e para variar foram morar nos imóveis rurais.