Garanhuns, 7 de maio de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Educação ambiental: uma questão de sobrevivência

Marcílio Luna Filho


A pressão sobre os recursos naturais no Brasil e no mundo é crescente a cada dia. Em contrapartida existe um crescimento na preocupação em relação ao meio ambiente, esta tendência é o reflexo dos principais problemas que afligem a humanidade nos dias atuais. Neste contexto surgiu nos últimos anos o que podemos chamar de uma nova corrente educacional, a Educação Ambiental, a qual é sustentada pelos pilares da filosofia do preservacionismo e conservacionismo do ambiental.

Nos dias atuais a educação ambiental mostra-se cada vez mais fundamental à construção dos novos cidadãos, bem como na reciclagem do homem atual, que se desenvolveu associando o progresso econômico-social à devastação das florestas e a utilização irracional dos recursos naturais, para dar lugar as cidades e viabilizarem o aumento das fronteiras agrícolas no mundo. Esta devastação desordenada nos trouxe vários efeitos nocivos, que são sentidos na pele pela população mundial, sendo ela submetida ao aumento da temperatura e da poluição, reflexo do conhecido "efeito-estufa".

A necessidade da formação de cidadãos ecologicamente conscientizados é uma realidade em todo o mundo, procurando buscar no dia a dia soluções que possam contribuir para a diminuição dos graves problemas naturais. Deste modo, a educação ambiental exerce um amplo poder de abrangência social, podendo ser levado aos vários níveis educacionais, atuando da educação infantil a de jovens e adultos, inclusive de idosos. Neste último pode ser observado um grande retorno social, pois se trata de um grupo da sociedade que hoje são colocados às margens dos processos públicos, no entanto esta parcela tende ao crescimento, tendo em vista o aumento na expectativa de vida e a diminuição da taxa de natalidade no país, sendo assim é fundamental a inserção e a valorização dos idosos no processo de educação ambiental.

Dentre os mais variados métodos de ensino relacionados à educação ambiental, podemos destacar a grande influência da adoção de dinâmicas de grupo, onde são contextualizadas dentro de oficinas, estas com o intuito de construir um conceito único, a partir do conjunto de participantes. As dinâmicas de grupo são sempre descontraídas e animadas, abordando os temas específicos de forma simples e objetiva. O resultado é sempre uma aula envolvente e de muita interação entre os participantes, o que beneficia também a relação pessoal entre as pessoas.

No Brasil existe, por grande parte dos governantes, uma cultura de menosprezar os investimentos de longo prazo, o que é bastante comum aos países de terceiro mundo. Isso ocorre geralmente por acreditarem que os resultados não seriam obtidos em suas gestões, mas nos seus sucessores. Acredita-se que a educação é um investimento de longo prazo para a sociedade, porém deveríamos observar que existe um retorno imediato, sendo ele dividido em várias etapas. No tocante à educação ambiental podemos citar como exemplo de seu rápido retorno, a diminuição da depredação de jardins em praças públicas, pois uma abordagem com crianças que passam a ter um conhecimento, mesmo que superficial, ligado aos aspectos funcionais da vegetação e sua importância para o meio ambiente e conseqüentemente a si próprio, com certeza obteríamos um decréscimo destes pequenos danos ao município.

A responsabilidade pela diminuição das agressões e a preservação dos recursos naturais, é um fator fundamental para assegurarmos condições ambientais favoráveis ao desenvolvimento de nossas futuras gerações. Deste modo é necessário que a educação ambiental esteja inserida nos conteúdos escolares, com a finalidade de compor uma responsabilidade ecológica no indivíduo. Assim como a educação familiar e religiosa tem grande importância na construção do cidadão, a educação ambiental contribui, não apenas para a formação de um indivíduo, mas também com a preservação do meio ambiente e da qualidade de vida das futuras gerações.


Marcílio Viana Luna Filho é Engenheiro Florestal e Consultor Ambiental