Garanhuns, 23 de abril de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

CORREIO POLÍTICO

Roberto Almeida


AS FICHAS PARA 2006

Lula faz um governo aquém do esperado pelas esquerdas, intelectuais, servidores públicos, artistas, integrantes dos movimentos sociais e muitos outros que tinham esperança de mudanças maiores com a ascenção do PT e do ex-operário ao poder. O líder petista, contudo, continua sendo uma opção de voto no próximo ano, uma vez que os seus principais adversários são muito ruins. Acredito que a maioria dos brasileiros não deseja a volta de Fernando Henrique; Geraldo Alkmin, governador de São Paulo, não inspira ainda tanta confiança, Garotinho é um populista da pior espécie e o ex-comunista César Maia, prefeito do Rio de Janeiro, pertence a um partido, o PFL, que sempre representou forças atrasadas da política brasileira. Uma candidatura que poderia crescer e até encampar um discurso de alternativa ao PT seria a de Aécio Neves, governador mineiro, que no entanto ainda é muito novo e por isso deve dar a vez a um tucano mais experiente.


PROTESTO

Pela primeira vez em Garanhuns motoristas que transportam estudantes pararam de rodar, como forma de protesto pelo atraso no pagamento, por parte da prefeitura. Pais de alunos da zona rural chegaram a ligar para as rádios reclamando da situação.


DESONESTIDADE

O prefeito Luiz Carlos negou que a prefeitura tivesse atrasado o pagamento dos motoristas e ainda deu a entender que alguns profissionais são desonestos. Segundo o peemedebista, a prefeitura não vai pagar 200 km quando o carro só roda metade desse percurso.


PERGUNTAS

Diante da revelação do prefeito, algumas perguntas devem ser formuladas: nas administrações passadas os motoristas lesavam o Poder Público? Prefeitos como Bartolomeu e Silvino sabiam que os profissionais cobravam mais do que deviam e faziam vista grossa, para evitar desgaste político?


POBRE VEREADOR

Um dos nomes do PSDB na Câmara Municipal, o vereador Paulo da Mochila fez recentemente uma revelação um tanto surpreendente. Disse que o salário dos parlamentares municipais não é essa maravilha que andam dizendo, pois quando se desconta o dinheiro da previdência, do Imposto de renda e o que é gasto em clientelismo sobram no final do mês apenas R$ 400 ou R$ 500.


DIVERSÃO

Colega de Paulo no Legislativo, o vereador Natalício Rodrigues (PV), pensa um pouquinho diferente do colega. Reconhece que o dinheiro não é muito mais diz que se bem administrado sobra um pouquinho mais, uma quantia suficiente para a "diversão".


BARTOLOMEU

Bartolomeu Quidute anda calado, meio sumido, mas continua fazendo política o tempo todo. Um grupo de profissionais liberais e assessores que o acompanharam na última campanha deseja que o ex-prefeito dispute o mandato de deputado estadual, em 2006. Esse grupo, ao que parece, não quer votar em Izaías.


FILIAÇÃO

Simpático ao PT, Bartolomeu seria bem recebido no Partido dos Trabalhadores por lideranças estaduais ligadas ao ministro Humberto Costa. O presidente do diretório municipal petista, Méviton Araújo, garante que não há veto ao ex-prefeito, mas pondera que a filiação precisa passar primeiro pela instância local.


MUDANÇA

A Assembléia Legislativa do Estado provocou uma mudança positiva na deputada Aurora Cristina (PMDB). A ex-primeira dama está mais simpática, mais leve e desenvolta. Está até falando melhor no rádio. Nada como a capital, a convivência com outros parlamentares e independência financeira para melhorar o astral de uma pessoa.


O VICE

Muito prestigiado no início do governo, o vice-prefeito Almir Penaforte já não está com a bola toda. Luiz cansou dessa história de que o reserva mandava mais do que o titular e resolveu assumir o poder de forma integral. A informação foi confirmada ao colunista por mais de uma fonte, inclusive um ex-secretário do município.


COMÉRCIO

Um morador de Lajedo que é proprietário de um estabelecimento comercial em São Bento do Una confessou ao colunista o seguinte: o comércio do município governado por padre Aldo já melhorou bastante. Antes, era mais difícil fazer negócio, porque tanto o funcionário público quanto o fornecedor não sabiam o dia de receber.


O DEMOCRATA

Na entrevista coletiva que deu para fazer um balanço de 100 dias de Governo, o prefeito Luiz Carlos demonstrou estar preparado para a crítica. "Não me poupem. Nem a mim nem aos meus secretários", disse, certamente convencido de que a crítica pode até ajudar o administrador.


PESQUISA EM GARANHUNS

Uma pesquisa realizada em Garanhuns pelo Instituto Plural sobre a sucessão estadual em 2006, e divulgada na Folha de Pernambuco, foi muito comentada. Deu Armando Monteiro na cabeça, com mais de 30% das intenções de voto, ficando o segundo lugar com Humberto Costa, na faixa dos 20%. Dos pré-candidatos governistas, Sérgio Guerra teve 10% e Mendoncinha apenas 3%. O resultado é bastante compreensível. Armando tem obtido votações crescentes na cidade, ancorado pelos centros de saúde e o centro de artes que levam seu nome (na verdade os nomes do pai, do avô, que também são Armando Monteiro); Humberto Costa foi o mais votado para governador de Pernambuco, em 2002, e como ministro está sempre na mídia; Sérgio Guerra tem tido presença em Garanhuns, conseguido recursos para o município e é aliado de Silvino Andrade, que tem capacidade de lhe transferir muitos votos; Já o vice-governador Mendonça Filho, tem sido um ausente na Suíça Pernambucana, divulga mal o seu nome por aqui e apoiou na eleição passada uma chapa para a prefeitura que teve mais ou menos o mesmo percentual que ele agora obteve nessa pesquisa da Plural.