Garanhuns, 23 de abril de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

CORREIO & MÍDIA

Ronaldo César


COMEÇO DE ANO UNIVERSITÁRIO

Federal, eleições nas terras de Simôa Gomes nas faculdades locais, jornalismo, enfermagem, o que vem, o que não vem, passeata, políticos, rural, campus, Caruaru, etc. Do final do ano passado para cá Garanhuns encontrou um só assunto e assunto este ainda com muito pano para dar para às mangas. Não teve chuva e ruas estragadas sem conserto que tirasse o assunto da boca do povo. Não teve entrevista coletiva que fizesse se calar a população diante da perda (virtual ou real, que vinha ou que não vinha, anunciada ou levianamente insinuada que estaria aqui) de uma universidade federal. Por algum tempo acreditamos que a redenção econômica viria na forma de um campus universitário federal, que traria estudantes e recursos. O progresso que parece ter tomado gosto pela BR 232 e resolveu alavancar as cidades de outras regiões. Até a usina de biodiesel foi relevada ao esquecimento, aliás como a região quando se trata de mega-investimentos, que não precisaríamos que fossem tão mega assim. De fato, a zuada fez efeito e colheremos bons frutos. Os anúncios de outros cursos universitários para Garanhuns ativam um setor que há anos estava relaxado, contávamos apenas dois cursos, um de formação de professores e outro de formação de administradores. Agora começamos a respirar a atmosfera de um pólo educacional que alguém disse que seria o futuro desta cidade, queira Deus seja verdade!


FAGA E AESGA

Muita gente não entende o que é uma e outra. A Faga é a faculdade de Administração, tanto que o curso de Direito é da FDG, Faculdade de Direito de Garanhuns. Provavelmente o curso de Jornalismo vai para uma outra faculdade e assim vai. A AESGA é Autarquia de Ensino Superior de Garanhuns e rege as faculdades, a questão é que até um ano atrás só tinha administração, aí a coisa ficava meio confusa mesmo. Com a criação desse novo projeto de jornalismo a AESGA dá um passo importante na formação social, profissional e econômica da região, somada aos cursos já existentes. No futuro podemos ter a Universidade de Garanhuns. Uma questão preocupante é que mesmo reconhecendo que estes cursos têm mensalidades menores que a maioria das faculdades do país, nossa cidade ainda vive resquícios de uma paralisia econômica de anos e nossa renda praticamente impede o estudante médio de pagar mensalidades como a destas faculdades. Seria, por bem, muito interessante, e aí não sei juridicamente como isto aconteceria, que de alguma forma a AESGA conseguisse subsídios federais para seus cursos. Lembro que surgiu certa vez que a autarquia poderia passar para a UPE, mas se temos o canal direto com Brasília (temos??) por que não pensar mais adiante? Por hora, a AESGA cumpre seu papel social e os que fazem a instituição (demonstram) um progresso não demonstrado em outros setores da administração pública.


UPE E FAGA, NOVOS NOMES

Na UPE, Pedro Falcão, na FAGA, Zé Carlos. Em um momento de discussão acadêmica em Garanhuns, nossas faculdades mostram novas caras (nem tão novas assim, não é gente?). Pessoas carismáticas e de serviços prestados na educação de Garanhuns. A tranqüilidade nas sucessões mostra que todos os que fazem nossos cursos estão satisfeitos com o decorrer das administrações. Isto é bom. Mas claro, se é uma nova administração, todos sempre esperam um pouco mais!


JORNALISMO

O anúncio do curso de jornalismo foi muito importante neste momento quando a sociedade estava inquieta por conta de toda a discussão da Federal. De todos os pontos de vista é um grande investimento para a região, tanto profissional mas também na formação de nossos meios de comunicação. A capacitação de nossos profissionais já seria um bom investimento, mas ele nunca veio, nem por meio das instituições públicas nem pelas representantes da categoria, a formação profissional com cursos técnicos também nunca foi realidade, agora temos a Rádio Escola do Centro de Artes de Izaías Régis que em breve deverá estar no ar e principalmente, o curso de Jornalismo, como a possibilidade de viabilizar uma Rádio Universitária. Jornalismo vem pra resolver um problema que é a falta histórica de cursos para este importante setor de qualquer sociedade, que acaba nivelando bons profissionais e outros sem qualquer formação.


ENFERMAGEM

E por falar em Izaías, é de se elogiar a sua intervenção junto ao governo federal, quando não acreditávamos em nenhum curso mais da Federal para Garanhuns. Podemos imaginar que a vinda de Enfermagem para Garanhuns, mesmo que no prédio da Rural, possa ser o precedente para num futuro próximo conquistarmos outros cursos.


FEDERAL RURAL

Toda a discussão a respeito da Federal acabou relegando a instalação da Rural a um segundo plano. Claro que estamos cientes das instalações dos cursos aqui em Garanhuns e que isso pode ser o sopro de vida que nosso setor produtivo estava esperando para voltar a ter a pujança de outrora. Vai ser muito importante para nossa cidade não precisarmos nos despedir de nossos filhos quando pensarem em fazer um curso da importância dos que estarão na Universidade Federal Rural em Garanhuns.


PASSEATAS E PROTESTOS

É sempre importante a sociedade se manifestar, seja de qualquer forma. Nos últimos tempos parece que isso virou coisa de estudante secundarista ou repúdio a violência, geralmente organizada pela família e amigos de vítimas. A sociedade brasileira acabou por se calar com o tempo e tem medo e vergonha de clamar por direitos. Vemos em outros países as pessoas irem às ruas para demonstrar insatisfação por motivos públicos. Quem sabe possamos ver nos estudantes uma lição a aprendermos. Claro, manifestações não são sinônimos de algazarras e bagunça, deve ter um objetivo e conquistar as pessoas pela clareza das intenções.