Garanhuns, 9 de abril de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

Bom Conselho tem programa pioneiro de locação de terras

O município de Bom Conselho (38 km de Garanhuns), tem um programa pioneiro de locação de terras para agricultores pobres, lançado graças a uma iniciativa do prefeito Audálio Ferreira (PL). O governante tomou esta medida desde a primeira vez que assumiu o poder, oito anos atrás, e retomou com o projeto agora, depois de vencer a eleição do ano passsado.

Este ano a prefeitura já locou 1.282 hectares de terras a particulares e repassou os lotes aos pequenos agricultores do município, que não têm onde trabalhar. Com assistência do Poder Público, os moradores de Bom Conselho estão plantando milho, feijão, algodão e mamona, com perspectiva de colheta nos próximos 120 dias.

O secretário de Agricultura de Bom Conselho, Edson Ferro, que dirige o programa, informou que o município disponibilizou três tratores para trabalhar nessas terras alugadas pela prefeitura e que até o último dia cinco 800 hectares de terras já estavam arados. "Nós não estamos perdendo tempo. Onde choveu fazemos logo a aração", disse o auxiliar do prefeito Audálio Ferreira.

BOA VONTADE - A prefeitura locou as terras por um preço médio de R$ 140,00 por hectare e conseguiu também muitos lotes gratuitamente, graças a boa vontade de fazendeiros que ajudam o projeto sem estar pensando em lucros. Somente um proprietário do município cedeu 100 hectares para o programa, permitindo a diminuição dos custos com o trabalho em favor dos agricultores.

"Se a prefeitura fosse pagar por cada hectare gastaria cerca de R$ 180 mil. Mesmo assim o retorno seria positivo, pois existe a perspectiva de um único agricultor conseguir R$ 1.700,00 com a venda dos produtos que plantou", garante o diretor da secretaria de Agricultura, Alfredo Borges, que auxilia Edson Ferro na administração do projeto de locação de terras.

Na avaliação do secretário municipal, o investimento feito pela prefeitura beneficia não somente o agricultor, mas toda a cidade de Bom Conselho. "Com dinheiro no bolso eles podem vir comprar no comércio local, que assim aumenta os seus lucros", raciocina Edson Ferro, contabilizando que o programa irá beneficiar mais de duas mil famílias só entre os agricultores.

Os trabalhadores que receberam as terras da prefeitura (cadastrados previamente na Secretaria de Agricultura), optaram por plantar principalmente milho e feijão. Mas muitos investem também na cultura da mamona, considerada a "febre do momento". O "ouro preto", como também está sendo conhecida a planta, começa a render frutos em 120 dias e pode produzir durante dois anos. O quilo de mamona está sendo vendido por 80 centavos, um preço considerado atrativo.

"A ordem que temos do prefeito é dar todo apoio a esse trabalho. Por isso que os tratores aqui rodam praticamente 24 horas. Só param para abastecer e lubrificar", assegura Edson Ferro, demonstrando entusiasmo com o programa de locação de terras.

Mesmo com toda essa preocupação com esse projeto, o secretário ainda toca outras iniciativas como a distribuição de mudas para praças, jardins e fruteiras da cidade. Ele disse que esse medida também foi tomada pelo prefeito Audálio na sua outra gestão, mas que foi abandonada pelos seus sucessores.

Em Bom Conselho choveu 80 milímetros nos últimos meses e mesmo assim existem lugares da zona rural que são abastecidas por carros-pipa, através de dois caminhões contratados pela prefeitura. Entre as comunidades que são atendidas por esses veículos estão Lagoa Primeira, Angico, Angico dos Louros, São Pedro, Queimadas Grande, Lagoa Grande, Lagoa do Jerimum, Lajedo dos Cabral, Feijão, Várzea Grande, José Alexandre, Poços, Mocós e Logradouro dos Leões.

O município de Bom Conselho tem perto de 50 mil habitantes e a maioria deles reside na zona rural. São mais de mil quilômetros quadrados de terras, com distritos grandes, que até já tentaram se emancipar, como é o caso de Rainha Isabel.