Garanhuns, 26 de março de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

São Bento já vive uma realidade diferente na saúde e no social

Quem acompanha o Correio Sete Colinas, ou o noticiário de rádio e da televisão, sabe que o novo prefeito de São Bento do Una, padre Aldo Mariano, herdou uma das prefeituras mais bagunçadas do Estado. Nesse contexto, a recuperação do município pode levar um certo tempo, embora a população tenha necessidades imediatas. Consciente de tudo isso, Pe. Aldo tem feito o que pode para agilizar as ações nas áreas de saúde, educação, assistência social e infraestrutura, determinado a devolver a auto-estima e a esperança ao povo da cidade que o elegeu.

O novo secretário de Saúde de São Bento, o odontólogo Carlos Almeida, 31, natural do município, confessa que encontrou o caos administrativo em sua área de atuação. "Somente duas equipes do PSF funcionavam, mesmo assim precariamente; a ambulância estava encostada, com o motor batido e o hospital, equipado artificialmente 15 dias antes da eleição, nos foi entregue vazio, sem nenhum equipamento, sem nenhuma cama", lembra o secretário, frisando que uma única cirurgia não foi feita na unidade de saúde, depois de inaugurada às vésperas do pleito eleitoral, pelo ex-prefeito Paulo Afonso.

Carlos Almeida informa que no momento sete postos do PSF já estão funcionando regularmente, com médicos, enfermeiros e o pessoal auxiliar. Além disso, a prefeitura contratou sete plantonistas para o hospital, comprou um aparelho destinado a fazer restauração dos dentes anteriores (esse serviço só era feito em clínicas particulares), consertou inteiramente a ambulância, gastando R$ 15 mil em oficina e com o apoio da sociedade conseguiu uma outra ambulância para servir aos moradores do município. "Introduzimos o serviço de ultrassonografia, que não era feito e agora realizamos de 30 a 40 exames por semana. E ainda garantimos transporte de boa qualidade para o pessoal que precisa fazer tratamento em Garanhuns ou Recife", complementou o secretário de Saúde.

CÓLERA - São Bento foi um dos poucos municípios do estado a apresentar casos de cólera no início deste ano, como resultante do descaso da administração passada. Disposto a erradicar a doença do município, desde o dia primeiro de janeiro o secretário determinou uma revisão nas ações que tinham sido feitas em sua pasta no ano de 2004. Encontrou em comunidades como Odete Costa, Iraque e Delmaro Braga, enormes quantidades de lixo, pois há mais de dois meses não era feita a coleta pela prefeitura. Além disso, as caixas d´água desses bairros estavam todas danificadas e todas tiveram de ser recuperadas. "Fizemos um trabalho de conscientização com os agentes de saúde, inclusive com participação do Exército, distribuimos o hipoclorito de sódio, panfletos educativos sobre a doença e assim controlamos os casos de diarréia que vêm baixando a cada semana. E os números da doença ficaram limitados aos quatro casos registrados no início do ano", comemora Carlos Almeida.

O auxiliar de Pe. Aldo disse que mais dois reservatórios de água foram colocados no bairro Santo Afonso II, com recursos próprios da prefeitura e garante que um monitoramento diário dessas caixas d´água está sendo feito. "É feito um trabalho junto a Compesa para que esses reservatórios sempre estejam abastecidos, de modo a garantir água de boa qualidade", explicou.

O hospital municipal, segundo o secretário, ainda não está equipado inteiramente, porque é muito grande. Mas a prefeitura já resolveu o problema da fossa estourada no local em que funciona a unidade de saúde, solucionou a questão de infiltração e da falta de gases de oxigênio, fez uma compra mínima de medicamentos, pois o estoque encontrado estava perto de zero. "O hospital não tinha um único par de luvas, não tinha lavandaria nem necrotério e os blocos cirúrgicos eram indevidamente dotados de janelas. Então o que fizemos foi uma compra emergencial de medicamentos, colocamos os recursos humanos necessários, já estamos fazendo partos emergenciais e não estamos internando ainda nem fazendo cirurgias por conta das irregularidades no prédio e na parte burocrática", acrescentou o secretário.

No total, São Bento do Una já contabiliza sete médicos no PSF, um ginecologista, um profissional no ultrassom, sete plantonistas, dois pediatras e três clínicos geral. A prefeitura registra ainda a troca da tubulação do bairro Odete Costa, que estava toda estourada. "Era uma fedentina horrível, mas solucionamos o problema. Com recursos próprios trocamos mais de 240 metros de cano de 150 milimetros", disse o secretário Carlos Almeida.