Garanhuns, 12 de março de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Ivo relembra criação da festa

A Garanheta foi criada 15 anos atrás, na gestão do prefeito Ivo Amaral. A festa começou tímida, graças a uma iniciativa de um grupo de jovens da cidade, no qual se destacavam o ex-vereador Cacau, o ex-secretário Marcílio Maia, o médico Saulo Almeida, o veterinário Kléber Fernandes, o empresário Alexandre Guilherme, o professor Gustavo Siqueira e o técnico em eletrônica Juca Pádua. Uma década e meia depois, o Carnaval fora de época da cidade atrai a atenção do Estado inteiro e de uma parte de Alagoas, Sergipe e Paraíba. Nesta entrevista, Ivo relembra como tudo começou e mostra estar convencido de que a micareta local ainda será sucesso durante muitos anos.


CORREIO - Como nasceu a idéia de fazer a Garanheta?

IVO AMARAL - A idéia da micareta, posteriormente denominada de Garanheta foi trazida por um grupo de jovens da sociedade local, que estava empolgada com uma festa do qual participaram em Feira de Santana, na Bahia. Eles compareceram ao meu gabinete propondo que a prefeitura patrocinasse a primeira micareta de Pernambuco e como gostei do que foi relatado aceitei a sugestão, embora tivesse partido de um "bando de doidos", como disse a eles. A festa foi iniciada no sábado, dia 14, com a saída do bloco "O Biriteiro da Noite" e para animação maior da festa contratamos o trio elétrico Asas da América e Bubuska Valença. Da cidade participaram o trio elétrico Energia e as bandas Ratos de Cana e Ipanema. Naquele ano elegemos também a Garota-Garanheta, que foi a jovem Ana Cláudia.


CORREIO - Como o Sr. vê a festa hoje, 15 anos depois?

IVO AMARAL - Este ano, ao completar 15 anos, a Garanheta está profissionalizada e os blocos tomaram conta do evento. O patrocínio é da iniciativa privada e as bandas baianas participam majoritariamente da festa, que está sobrevivendo ao longo desse tempo todo e espero que continue a alegrar o povo de Garanhuns, do Agreste Meridional e já agora de todo estado de Pernambuco.


CORREIO - As micaretas estão acabando em quase todas as cidades. Por que o Sr. acha que em Garanhuns a Garanheta vai sobreviver?

IVO AMARAL - Como disse anteriormente o Carnaval fora de época de Garanhuns, a nossa popular Garanheta, tem condições de continuar por muitos anos, pois o carnaval normal jamais voltará, ficará restrito a Olinda e Recife e assim sendo a Garanheta vai permanecer por muitos anos.


CORREIO - Por que depois do FIG e da Garanheta, dois eventos criados nos governos de Ivo Amaral, não surgiu mais nenhum evento de peso na cidade.

IVO AMARAL - Veja bem eu tive a coragem e até diria a ousadia em criar as duas festas uma em 1990 (Garanheta) a outra em 1991 (Festival de Inverno), isto nos últimos dois anos da minha segunda administração, quero dizer que realizei os dois primeiros eventos e daí em diante os meus sucessores deram continuidade e ambos estão completando 15 anos neste 2005. Quanto ao não surgimento de outros eventos não posso responder pelos meus sucessores.


CORREIO - A Garanheta que acontece este final de semana foi cercada de muita polêmica, a começar pela antecipação, criticada até pela Igreja. Com tantos problemas o sr. acredita que será um sucesso, como nos anos anteriores?

IVO AMARAL - Acredito no sucesso este ano, mesmo porque como já disse as Bandas Baianas e seus cantores fazem a festa, o povo gosta delas e portanto não temos nada a temer. Os donos dos blocos, principalmente o Bicho comandado por Geraldinho e seu irmão Fábio tem muita experiência no ramo bem como Betinho, o ex-secretario de Turismo Ivan Júnior e o atual Julinho (Júlio Sampaio de Melo Filho). Torço para que dê certo pois como pai desta criança desejo longa vida.