Garanhuns, 12 de fevereiro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Os 126 anos de Garanhuns

José Rodrigues


Bendita seja a terra que acolhe os forasteiros dando-lhes saúde e felicidade. Garanhuns a cidade das Sete Colinas, do clima maravilhoso, das águas minerais, onde o Nordeste garoa, Suíça Pernambucana e terra de Simôa Gomes.

Garanhuns está localizada no Planalto da Borborema, elevando-se a 1.030 metros acima do nível do mar, a uma distância de 230 KM, para Recife, capital do estado de Pernambuco. É uma cidade possuidora de sete colinas, as quais representam o que há de mais belo e esplendoroso.

As colinas "Triunfo, Monte Sinai, Ipiranga, Columinho, Magano, Antas e Quilombo". Entre estas colinas destaca-se o Alto do Magano que se eleva ao espaço como que pretendendo desafiar o infinito.

Durante muitos anos Garanhuns serviu de lenitivo para os que buscavam a cura dos seus males. Muitas pessoas saíram das suas terras e vieram para Garanhuns onde em pouco tempo estavam curados. Os que recebiam os milagres afirmavam que os anjos a mando de Deus traziam os remédios; em pouco tempo estavam sarados de seus males.

Graças a esta cidade milagrosa, o deputado Silvino Guilherme de Barros, o Barão de Nazaré, a conselho dos seus médicos veio repousar nesta terra do Magano e em pouco tempo, mesmo sem usar remédios ministrados pelos médicos conseguiu ficar curado de uma doença que o levaria a morte em pouco tempo. Este fato fez com que o Deputado encaminhasse à Câmara Estadual um projeto de lei, elevando Garanhuns à categoria de município.

Esse projeto teve apoio unânime dos senhores deputados provinciais, fato ocorrido no dia 4 de fevereiro de 1879.

A partir d´aquela data, Garanhuns foi desmenbrada da Vila de Cimbres que fica localizada nas vizinhanças de Pesqueira; adquirindo status de município, livre e independente com o nome definitivo de Garanhuns. Pertencendo, portanto a capitania de Santo Antônio do Ararobá, encravada nas terras de Simôa Gomes de Azevedo, proveniente da herança de Sertanista Paulistano, Domingos Jorge Velho.

Convém lembrar que o ninho onde nasceu Garanhuns era chamado de Tapera do Garcia, terra fértil e favorável à produção de grande quantidade de alimentos; e, também a grandes rebanhos de guarás e de anhuns. Afirmam os historiadores que a Fazenda do Garcia teve um crescimento rápido, mas foi destruída, quase que totalmente por negros fugitivos do Quilombo dos Palmares. Este fato fez os donos da Fazenda Garcia fugirem do local e viessem se localizar, onde hoje se encontra a cidade Garanhuns.

Em pouco tempo, Garanhuns properou tanto que Ruber Van der Linden, a respeito do grande progresso ele escreveu os seguintes versos;

"Mas um porvir. Que meu sentir anela,
Já que o progresso por aqui radica
Talvez descubra Garanhuns mais bela.
É que seus filhos amanhando a terra,
Hão de faze-la grande forte e rica
Como os tesouros que seu solo encerra"

No dia 4 de fevereiro de 2005, o nosso município completou 126 anos de sua emancipação. Foi um dia alegre. As colinas verdejantes espalhando pelo espaço um cheiro perfumado. O sol nasceu e espalhou raios luminosos que se misturaram no espaço com o resplendor das estrelas. O Magano a cachimbar, com que, pedindo paz para todos os homens e todas as gerações. No dia 04 de fevereiro de 2005, em Garanhuns, tudo é beleza, tudo é alegria; porque a nossa cidade está colocando no livro de ouro de sua existência 126 anos de vida.

Parabéns Garanhuns!


Crônica lida na FM Sete Colinas quando do aniversário da cidade