Garanhuns, 8 de janeiro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Oposição se divide e Sivaldo é reeleito presidente

Mostrando que é bom articulador político e contando com a divisão dos vereadores oposicionistas, o presidente da Câmara Municipal, Sivaldo Albino, foi reeleito para mais dois anos de mandato como dirigente do Poder Legislativo. Na eleição, realizada no dia primeiro de janeiro, o parlamentar tucano conseguiu oito votos, contra apenas três do seu oponente, o professor Severino (Sílvio) Sabino, do Partido Verde.

A vitória de Sivaldo representou também a "desmoralização" de parte da Oposição, uma vez que três dos vereadores que votaram com o parlamentar do PSDB tinham firmado o compromisso de permanecer coesos, em torno de uma chapa encabeçada pelo pedetista Armando Domingos. Esses vereadores chegaram a assinar um "Termo de Acordo e Responsabilidade", mas depois "esqueceram" o documento e se bandearam para o lado da situação.

No termo assinado pelos vereadores está escrito o seguinte: "Estamos firmando o compromisso com a sucessão da Presidência da Câmara Municipal de Garanhuns para a gestão 2005/2006, com o devido acordo de votar na chapa para a primeira gestão da seguinte forma: Armando Domingos de Melo - presidente; Severino Sabino Filho - vice-presidente; Marcelo Pereira Marçal - 1º Secretário e Daniel da Silva - 2º Secretário. Este acordo fixa a eleição da Câmara para o dia primeiro de janeiro de 2005, como também para a parte administrativa, onde todos ficam compromissados de participar de maneira clara, espontânea e juntos de todos os vereadores para o melhor de Garanhuns". O documento é assinado por Aldemiro Aquino, Armando Domingos, Cláudio Taveira, Daniel da Silva, Severino Sabino e Marcelo Marçal.

Armando, Daniel e Marcelo, apesar da assinatura no Termo de Responsabilidade, votaram em Sivaldo. O petista, inclusive, ficou como primeiro secretário da Câmara, tendo sido eleito na chapa governista. O vereador José de Vilaço, mais votado na última eleição, ficou como vice-presidente da Casa Raimundo de Moraes.