Garanhuns, 8 de janeiro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

Sindicato virá fiscalizar jornais do interior

Caruaru, Petrolina e Garanhuns estão sendo invadidos por jornais clandestinos, editados por profissionais não habilitados e por isso serão objeto de visitas da direção do Sindicato dos Jornalistas de Pernambuco. O presidente da entidade classista, Ayrton Maciel (repórter especial do Jornal do Commercio) informou que a primeira cidade a receber a Comissão do Sindicato será a Capital do Agreste, uma vez que de lá foram encaminhadas várias denúncias contra o exercício ilegal da profissão de jornalista.

Depois, a direção do Sindicato de Jornalistas irá a Petrolina, no Sertão do São Francisco, onde também estão ocorrendo irregularidades. Ayrton Maciel telefonou para o presidente da Associação de Imprensa de Garanhuns e editor do Correio, Roberto Almeida, e alertou que gostaria de fazer uma visita também a cidade das flores. Ele solicitou um levantamento dos jornais da cidade e disse que a diretoria anterior chegou a receber denúncias contra a atuação de falsos jornalistas no município, mas as providências na época não foram tomadas.

"Nós não vamos chegar ameaçando ninguém. Queremos conversar com os donos de jornais e de emissoras de rádio e onde houver erro pedir que seja feita a correção. Se as irregularidades persistirem, aí levaremos o caso à Delegacia Regional do Trabalho", esclareceu o presidente do Sindicato. Ele garantiu que a nova diretoria da entidade terá uma atuação voltada tanto para a capital, quanto para o interior, que andou esquecido nas últimas gestões.

De acordo com o jornalista recifense, o exercício da profissão só pode ser feito por pessoas habilitadas, que tenham o curso superior específico. Assim como ninguém pode exercer o Direito, a Medicina ou a Engenharia sem um diploma, a mesma coisa ocorre com o Jornalismo. A direção do sindicato recomenda que o próprio leitor e os anunciantes apóiem os õrgãos de imprensa legalizados, dirigidos por quem é da área, para não se envolverem com veículos ilegais ou clandestinos.