Garanhuns, 8 de janeiro de 2005
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Prefeitos deixam má herança na Cohab II

Na gestão do prefeito Bartolomeu Quidute foram construídas quatro lagoas de tratamento, que resolveriam o problema do saneamento básico do bairro. Um grupo de pessoas entrou na justiça contra as tais lagoas e elas foram interditadas pela justiça. Silvino passou oito anos na prefeitura e não conseguiu (não se sabe nem se tentou) resolver a questão. O resultado agora é mato e o acúmulo de água sem tratamento que pode se transformar num grande foco da dengue.

Outra má herança deixada na Cohab II é o "piscinão" do bairro, conjunto de buracos formados no asfalto construído na gestão de Silvino. As crateras chegaram até a ser mostradas no período eleitoral, mas nem a perpectiva do voto sensibilizou o governante. E os buracos continuam lá, do mesmo jeito, irritando motoristas e pedestres. É importante frisar que a Cohab II hoje é uma verdadeira cidade, integrada pelo Conjunto Francisco Figueira e por loteamentos como o Rosa Mística, Morada do Sol Manoel Camelo, Luiz Gonzaga I, II e III. Se estima que a população da área pode chegar a 8 ou 10 mil habitantes. Interessante é que o bairro nunca conseguiu eleger sequer um vereador.