Garanhuns, 18 de dezembro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Sinos de Natal

Luzinette Laporte


Será que ainda há quem os ouça? Os sinos tocam, anunciando a chegada de Deus: Natal. Os ouvidos, porém, estão “doentes” de tanto ouvirem músicas anti-natais: axé, samba, rock, pagode. Elas afogam nos jovens, nas crianças, o que de bom poderá ser lhes dado: o bom gosto. O gosto pela boa música. Habituam-se, desde cedo, a não discernir a música que deve ser tocada/cantada em cada circunstância.

Ninguém toca música gregoriana (canto chão) pelo carnaval. Seria aberração, absurdo. Também, pelo Natal, não cabe música de dança. De barulho e ritmo que ferem o Natal do senhor. Natal do menino Jesus. Como o embalar ao som do pagode, rock, etc... Qual mãe que assim embala seu filho?

Perguntemos: a quem estamos festejando? Quem é o aniversariante? Que significa Ele para nós?

É tempo de canções. De cânticos de louvor. De glória. De alegria. De júbilo: “Júbilo é o som a significar que do coração brota algo impossível de se expressar.” (Sto. Agostinho)

Então expressemos em corais, peças músicas suaves, cantos de igreja. Há tanta coisa bela para mostrar!

Noite feliz! (No original “silenciosa”) “Vinde cristãos! Vinde à porfia/cantar um hino de louvor!) Canto dos anjos do senhor!”

“É Natal! É Natal! “Da cepa brotou a rama / da rama brotou a flor / da flor nasceu Maria / de Maria o salvador! (É XI capítulo de Izaías, Nº 10) Toda a profecia celebra o Cristo, o ungido, o Príncipe do Paz. Ele é mesmo é a Paz diz o profeta.

Natal é isso. É tempo de alegria-de-luz, alegria-de-paz, alegria que vem de Deus. Alegria-oração. Deixemos para carnavais, festejos juninos outros tipos de música. Cantemos suave e docemente para a virgem e o menino descansarem: “Cantai, anjos ao Menino / enquanto a senhora dorme. / Cantai, mas devagarinho. / Vede, a Virgem não acorde.”

Acordai os cristãos, sinos do Natal! Chamai-os para que ouçam canto dos anjos: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa-vontade!”