Garanhuns, 18 de dezembro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

A decadência de Garanhuns

Pedro Jorge Valença


Garanhuns hoje é conhecida como a “ Cidade do já Teve”. A regressão sistemática do seu progresso, cabe a pequena participação dos seus habitantes, que incorporaram a afirmativa do saudoso deputado Elpídio Branco quando dizia: “ A população de Garanhuns é mais fria do que suas noites”. Atônita Garanhuns, há vários anos vem presenciando a destruição dos ícones que fizeram do município o líder do Agreste Sul. Apesar da boa vontade de algumas lideranças, que não conseguiram motivar seus habitantes. Forçando a que novo título seja dado : “ A Cidade do Desânimo ”.

O título de “Suíça Pernambucana ” foi tomado por Gravatá, que tem construído habitações no estilo dos Alpes Helvéticos, muito embora esse tipo de telhados, visa proteger do acúmulo da neve, se esquecendo do incomodo que impõem aos seus moradores. O visual, apesar de inconstante, atinge o objetivo de impressionar aos incautos. Hoje é palco de eventos praticamente semanais, levando milhares de visitantes para a Cidade.
A “ Terra do Frio ” tem sido surrupiada por Triunfo, que aproveita inteligentemente, de estar localizada a alguns metros acima do Morro do Magano, para alardear que detém esse título.

A “ Cidade das Sete Colinas”, é usada muito bem por órgãos de comunicação, poderia ser melhor explorada. Com sete colinas nosso único concorrente seria Roma, mas essa fica lá na Itália. Porque não usá-lo ?

A existência dos maiores Colégios de Pernambuco deu a nossa terra o título de “ Meca do Ensino “ mas foi absorvida pelos municípios vizinhos, que com acerto têm criado boas Escolas do Ensino Fundamental, apesar de ainda agruparmos um grande número de estudantes nas nossas Faculdades. Vamos fortalecer nossos Colégios e lutar pela vinda da Universidade Federal Rural de Pernambuco no Agreste, acabando que essa ciumeira .
A “ Terra do Leite ”, foi tomado por Águas Belas, que tem a maior produção, só que Garanhuns ainda detém esse título, pois congrega o maior sistemas de industrialização de leite do Nordeste e Norte do Brasil. Aqui também reside a maioria dos pecuaristas de leite, que apesar de possuírem suas Fazendas em outros municípios, vêm diariamente gozar dos benefícios do nossa clima. Porque não divulgar essas verdades ?

Garanhuns, “ Onde o Nordeste Garoa ”, ficou só no baião cantado por Luiz Gonzaga, título que não é explorado, por falta de criatividade, acabaram-se nossas Barracas Juninas, época que o fenômeno da garoa é mais intenso. Só está faltando se promover excursões para brincar o São João em Caruaru !

A “ Cidade dos Comunicadores”, onde jornalistas, nossos conterrâneos, coroavam as redações dos grandes Jornais do Recife e do Brasil. Daqui também saíram grandes comunicadores para o Rádio e Televisão. Os cantores eram elite, Geraldo Pinheiro, Manoel Teles e Washington Medeiros, nada deviam ao famoso Augusto Calheiros. As Irmãs Aciomã, brilharam no Recife e os conjuntos Uirapuru e Itacatu, eram perfeitos. Louvável é a existência de quase uma dezena de Jornais que lutam para se manter circulando, principalmente apelando para a boa vontade das Cidades Vizinhas..

A disputa do “ Maior Glutão “, movimentava a Cidade , foi extinta e entrou no rol de mais um evento encerrado.

As “ Águas de Garanhuns “ que graças a sua boa qualidade, elevou o nome do município, conhecidas em todo o País, hoje sofre pela falta de investimentos que penaliza a população com constantes racionamentos. A barragem de Inhumas, que foi construída no Governo de Eraldo Gueiros e ampliada pelo doutor Miguel Arraes, tinha suas raízes em Garanhuns.

“Garanhuns Terra das Flores”, só estão aparecendo nas praças, graças as Hortênsias e Gerânios, flores que só se adaptaram ao nosso clima. Cravos e Rosas são trazidos de Caruaru e Gravatá . Flores Tropicais apesar de existirem em alguns jardins residenciais, nem se fala em produzir e vêm de intermediários do Recife.

O Civismo de Garanhuns, quando os desfiles colegiais, levavam milhares de pessoas para aplaudir a juventude garbosa que marchava ao som dos clarins de nossas Bandas Marciais, que de ano a ano aumentavam de componentes. Hoje se limita a um agrupado de meninos que sem treinamento e estímulo cumprem uma tarefa enfadonha de promover dirigentes, numa falta de respeito a população. Resta o Exercito a Polícia Militar e Escoteiros que mantém o garbo , para espanto de um público que está esquecido dos grandes desfiles estudantis .

As Grandes Escolas de Samba e os Blocos, desapareceram, cansados de não ter o apoio. Hoje o “ Carnaval vem passar férias em Garanhuns “, quando a Cidade fica vazia pois sua população está nas praias..

Na Semana Santa, Garanhuns recebia um grande número turistas que vinha gozar de nosso clima e descansar da tranqüilidade . Hoje virou uma verdadeira Cidade Fantasma do Oeste Americano.

A Corrida da Fogueira iniciada modestamente sob o comando de Antônio Miranda, chegou a fazer parte do calendário nacional , foi definhando até praticamente se extinguir.

Os Grandes Clubes de Futebol, se transformaram em times de várzeas, o Campeonato dos Coronéis, comandado por Aguinaldo Barros, movimentava toda zona rural. Hoje assistimos os Clubes de Municípios menores como o Itacuruba, disputar o Campeonato Regional.

Clubes Sociais e de Futebol que desapareceram: Sport, União, Arraial e IAC, já o Sete de Setembro e a AGA, estão seguindo o processo do Futebol de Pernambuco , declinando para extinção.

O Festival de Inverno que era só de Garanhuns, hoje está distribuído para várias Cidades e a Garanheta está esperando para ser mais incentivada.

Depois de um relato verdadeiramente tétrico, os habitantes de Garanhuns, podem ate pensar que para nossa terra não tem mais solução. Vamos esperar pelo novo prefeito, que na sua vida, tem demostrado ser empreendedor e certamente vai escolher uma equipe que o ajude.