Garanhuns, 20 de novembro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Alan Kardec, o francês que começou tudo

Existe muita desinformação e preconceito contra o espiritismo, que pode ser considerado uma doutrina, religião, ciência ou sistema filosófico, a depender de como se olha a prática dos ensinamentos do francês Alan Kardec. O que existe de certo é que esse professor, que na verdade se chamava Hippolyte León Denizar Rivail é a causa e o motivo da Doutrina Espírita tal como a conhecemos hoje.

Rivail Denizar, que só depois viria a ser conhecido como Alan Kardec, nasceu no dia três de outubro de 1804, em Lyon, na França. Nasceu de família rica e seu pai, Jean-Baptiste Antoine Rivail, era um juiz respeitado, descendente de advogados e pessoas de tradição na magistratura.

Desde cedo o pequeno Rivail mostrou inclinação pelas ciências e pelos estudos filosóficos, tendo sido encaminhado pelos pais, após os primeiros estudos em Lyon, para estudar no Instituto Iverdun, um dos melhores colégios da Suíça, na época. Nesta escola, tomaria contato com princípios morais e pedagógicos que lhe norteariam a vida pelo resto dos seus dias, repassados principalmente pelo fundador do instituto, o professor Johann Heinrick Pestalozzi.

O PEDAGOGO

Antes de adotar o nome de Alan Kardec, o francês dedicou sua vida a produção de livros didáticos nas áreas de gramática, aritimética e principalmente pedagogia. A sua obra obteve sucesso e lhe deu inclusive tranquilidade financeira. A partir de 1854, começou a se interessar por certos fenônemos inexplicáveis, como as "mesas girantes", que despertavam grande interesse na Europa.

No dia 30 de abril de 1856, Rivail teria recebido oficialmente a missão de ser aquele que assentaria as bases de uma Doutrina Espírita. Uma médium teria revelado a mensagem incubindo aquele professor de Lyon de que ele seria o "codificador da terceira revelação": o Espiritismo. A partir daí, o escritor e pedagogo dedicaria toda sua vida e energia ao estudo dos fenômenos e produziria uma vasta obra tratando de assuntos que as religiões da época e a própria ciência não explicavam.

OS LIVROS

Constituem a base do espiritismo cinco livros escritos por Alan Kardec, que têm para os seus seguidores o mesmo valor do Alcorão para os mulçumanos ou a bíblia para os cristãos. O "pentateuco" é formado pelos seguintes volumes: "O Livro dos Espíritos", "O Livro dos Médiuns", "O Evangelho Segundo o Espiritismo", "O Céu e o Inferno" e "A Gênese".

Kardec morreu em 1868, tendo escrito ainda muitos outros livros tratando do espiritismo. Fundou também na França jornais e revistas que tratavam da doutrina e instalou as primeiras sociedades de estudos espíritas. Depois que ele se foi outros deram continuidade ao seu trabalho e o sistema filosófico implantado por ele se espalhou pelo mundo.

Hoje, paradoxalmente, o espiritismo foi praticamente varrido da França, embora o túmulo de Alan Kardec seja um dos mais visitados do cemitério Pére-Lachaise. E olha que lá também estão sepultados celebridades como Oscar Wilde, Agusto Conte, Chopin e Rossini.

No Brasil, as primeiras manifestações espíritas datam de 1845. Vinte anos depois seria fundada em Salvador, por Olímpio Teles de Menezes, o Grupo Familiar de Espiritismo. O mineiro Francisco Cândido Xavier, nascido em São Leopoldo, em 1910, seria a grande figura da doutrina kardecista no país. Tratado como caso de polícia no início, o espiritismo conseguiu proliferar entre nós e hoje o Brasil é um dos países como maior número de seguidores de Alan Kardec.