Garanhuns, 6 de novembro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

O PT, o PSDB e a eleição de 2006

O PT e o PSDB foram os grandes vitoriosos da última eleição municipal realizada no país, após conhecido os resultados do primeiro e segundo turnos. Para uns, os tucanos lucraram mais, por terem vencido o pleito em grandes capitais, como Curitiba e principalmente São Paulo. Outros, no entanto, consideram os petistas os grandes vencedores, por terem tido a maior quantidade de votos no Brasil, passando a dominar a partir de janeiro nove capitais, contra cinco dos peesedebistas.

As análises publicadas na imprensa nacional parece que estão sendo feitas de acordo com a simpatia de cada jornalista. Magno Martins, por exemplo, que não consegue esconder a sua antipatia pelo PT, disse abertamente em sua coluna, na Folha de Pernambuco, que o partido de Lula foi o grande derrotado nas eleições de 2004. Já Inaldo Sampaio, no seu espaço, no Jornal do Commercio, avaliou que os petistas se saíram bem no cômputo geral, por terem tido mais votos e terem vencido em colégios eleitorais importantes.

Inaldo, por sinal, credita as derrotas de Marta Suplicy, em São Paulo, e Raul Point, em Porto Alegre, a particularidades de cada cidade. Não teria sido propriamente uma derrota do PT e de Lula e sim da candidata paulista e da facção do partido do presidente na capital gaúcha.

Pessoalmente, acho que o PT poderia ter se saído melhor, embora o resultado final não tenha sido de todo ruim. Uma pena que Marta, que pegou uma prefeitura pessimamente administrada, depois das gestões corruptas de Maluf e Pitta, tenha perdido, quando sabemos que fez um ótimo trabalho. A prefeita terminou sendo vítima de um certo preconceito e pagou também por certas posturas petulantes que adotou durante o seu mandato.

No caso de Pernambuco, onde aconteceu a bela vitória de João Paulo, no Recife, se reelegendo com uma votação esmagadora em cima do peemedebista Cadoca, a eleição de oito prefeitos foi realmente muito aquém de um partido que hoje detém a presidência da República.

Apesar da derrota em São Paulo e Porto Alegre, o PT tem boas condições de reeleger Lula em 2006 e também poderá crescer na eleição de governador, de deputados e senadores. Acredito que só Fernando Henrique, hoje, seria um páreo duro, numa disputa contra o petista, e os outros nomes à disposição do PSDB, caso do paulista Geraldo Alkmin e do mineiro Aécio Neves ainda têm muito o que trabalhar seus nomes em termos de Brasil.

No Estado, mesmo com o reduzido número de prefeitos que elegeu, o Partido dos Trabalhadores tem bons quadros para disputar a sucessão estadual. Uma chapa encabeçada por João Paulo ou Humberto Costa, tendo o caruaruense João Lyra na vice e Armando Monteiro postulando o senado, teria todas as condições de empolgar o eleitorado da capital e interior, espantando um possível favoritismo de Mendoncinha ou Sérgio Guerra.

O fato mais positivo da eleição municipal de 2004 foi esse fortalecimento dos tucanos e dos petistas. Os dois partidos, são, sem nenhuma dúvida, os que têm os melhores quadros do país, os menos fisiológicos, os mais éticos e os com melhores propostas para governar municípios, estados e o país.

Os velhos e novos coronéis da política brasileira, derrotados no pleito de outubro passado, estão todos em legendas que perdem prestígio a cada eleição, com o consequente crescimento do PSDB e do PT. É o caso de Antônio Carlos Magalhães (PFL), Marco Maciel (PFL), José Sarney (PMDB), Anthony Garotinho (PMDB), Jarbas Vasconcelos (PMDB) e Esperidião Amin (PFL). É verdade que Tasso Jereissati e Aécio Neves perderam em seus estados, mas os tucanos obtiveram outras vitórias que compensaram amplamente os fiascos de Fortaleza e de Belo Horizonte.

Com o novo mapa que se desenha no país não temos a menor dúvida de que a disputa daqui a dois anos será mais uma vez entre tucanos e petistas. Talvez o PFL ainda sobreviva em Pernambuco se Mendoncinha for o candidato, mas mesmo nessa hipótese o partido do senador Marco Maciel terá pela prente uma pedra no sapato, que será o PT de Lula, João Paulo e Humberto. (R.A.).