Garanhuns, 6 de novembro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

Amigos e familiares preservam memória de Josa Branco

Dezenas de amigos e familiares de José Josy Duarte, mais conhecido como Josa Branco, estiveram no último domingo, dia 31 de outubro, na capela do sítio Trindade, localizada na zona rural de Garanhuns, para acompanhar a missa pela passagem do primeiro aniversário da morte do ex-prefeito de Lagoa do Ouro. A celebração foi feita pelo padre Marcelo Protásio e contou, dentre os presentes, com personalidades como o ex-prefeito Ivo Amaral, os prefeitos de Brejão e Lagoa do Ouro, Sandoval Cadengue e Marquidoves Vieira, além da esposa de Josa Branco, Ademilza Monteiro Duarte.

Josa foi vereador por três vezes e prefeito de Lagoa do Ouro, sendo uma figura muito querida em toda região, devido ao seu caráter de conciliador. Ele está sepultado na área do sítio Trindade, que pertence ao primeiro distrito de Garanhuns, onde também se encontra enterrado o seu irmão, padre José Orlando Duarte. O ex-dirigente da cidade vizinha era pai do atual coordenador do Ciretran local, Fernando Duarte.

Muitos dos amigos do ex-prefeito lembram com carinho de suas ações enquanto esteve vivo e atuante em Lagoa do Ouro e todo o Agreste Meridional. A esposa de Josa Branco, Ademilza, expressou bem seus sentimentos em relação ao marido, na adaptação do poema que transcrevemos logo abaixo:

Foste o primeiro de nós dois, a morrer.
Não permiti que a dor escurecesse
Por muito tempo o meu céu.
Fui corajosa, como tu querias,
E todavia modesta em meu pesar.
Porque foi uma mudança,
Não uma partida.
Pois do mesmo modo
Que a morte é parte da vida,
Os mortos vivem para sempre
Nos que estão vivos.
O que fomos, somos ainda.
O que tivemos, ainda temos.
Um passado eternamente presente.
Assim, quando eu vagar por estradas,
Onde caminhamos de braços dados
E buscar em vão, ao meu lado,
A tua sombra;
Ou parar, nos lugares de sempre
Para contemplar a paisagem;
E como de hábito
Procurar a tua mão,
E não encontrar ninguém,
Não deixarei a tristeza
Acercar-se de mim.
Ficarei quieta. Fecharei os olhos. Respirarei.
E escutarei teus passos
Dentro do meu coração
Porque tu não partistes,
Simplesmente
Seguirás caminhando
Dentro de mim.