Garanhuns, 23 de outubro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

Justiça intimida TV Asa Branca e frustra garanhuenses

Milhares de garanhuenses ficaram frustrados, no último dia 14, porque foram impedidos pela justiça de assistir o "Linha Direta", transmitido pela Rede Globo. Uma liminar do juiz Márcio Bastos Sá Barreto, por solicitação da família do veterinário Eurico Jorge Branco Monteiro, fez com que a TV Asa Branca, sediada em Caruaru, deixasse de veicular matéria jornalística inserida no referido programa, referente ao duplo assassinato cometido na cidade, que vitimou Clóvis Monteiro, irmão de Eurico, e sua cunhada, Lúcia Rezende.

A liminar pretendia que a matéria do "Linha Direta" deixasse de ser veiculada nacionalmente, mas tanto a Globo Nordeste (sediada no Recife) quanto a Globo Rio preferiram ignorar a decisão do magistrado. Assim, quem tem antena parabólica pôde assistir ao programa, que narrou o crime cometido por Eurico Jorge Branco e no final disse que o mesmo é considerado fugitivo da justiça. Como a maioria da população não possui parabólica, muitos ficaram desapontados com a não exibição do programa na cidade.

Os mais revoltados foram os familiares de Lúcia Rezende, que vêm fazendo verdadeira campanha pela prisão de Eurico, com notas em rádios e atos públicos pedindo justiça. Em nota distribuída à imprensa local, endossada por Sandre Rezende, mãe da vítima, a família acusa a justiça de mau comportamento e de estar protegendo o assassino. "Do jeito que se comportam dão a entender que ele é inocente e os culptados foram as vítimas", diz a nota.

Segundo os familiares de Lúcia Rezende o duplo homicídio foi cometido com requintes de crueldade e ainda hoje é pauta nas rádios, nos jornais e na televisão. Eles atestam ainda que repercutiu muito mal a liminar do juiz e o cerceamento da afiliada da TV Globo no seu direito de divulgar a informação. "Durante o dia seguinte a revolta tomou conta do povo, que incorfomado se manifestou através de e-mails e telefonemas desaforados direcionados as rádios locais", registra ainda a nota da família Rezende.