Garanhuns, 23 de outubro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
ESPECIAL
 

Lafepe é reconhecido com a concessão de prêmios

O Lafepe recebeu o prêmio Finep Nordeste 2004 nas categorias Grande Empresa e Produto. Segundo o secretário de Saúde de Pernambuco, Guilherme Robalinho,"foi um reconhecimento nacional ao trabalho do laboratório pernambucano no âmbito da saúde pública brasileira, tendo em vista a produção de novos medicamentos, principalmente, as drogas anti-retrovirais, e à proposta de oferecer remédios de qualidade a baixo custo às camadas mais pobres da população".

Para o secretário, "o governador Jarbas Vasconcelos estava certo em não privatizar o laboratório oficial, pois, tanto os resultados econômico-financeiros quanto o desenvolvimento de novos produtos mostram que a diretoria e os funcionários garantem ao Lafepe o título de patrimônio de Pernambuco". Ele destacou, ainda, o trabalho em conjunto com o Ministério da Saúde, os governos estaduais e as prefeituras, principalmente nos convênios para atendimento aos programas federais, estaduais e municipais de saúde pública.

Para o presidente do Lafepe, Luiz Alexandre Almeida, as ações do Lafepe são um exemplo de gestão empresarial, ao produzir remédios a baixo custo, sem depender de dotações orçamentárias, utilizando apenas os recursos advindos de sua produção. O Lafepe, ao conquistar o Prêmio Finep Nordeste 2004 nas categorias Produto e Grande Empresa, credenciou-se a disputar, em novembro, a Etapa Nacional do Prêmio. A premiação na categoria Produto - concorrendo com 41 empresas nordestinas - foi conquistada pela atuação do laboratório no desenvolvimento farmacotécnico industrial da associação do Lamivudina (150mg) com Zidovudina (300mg) em comprimido revestido, para o tratamento da Aids.

Dessa forma, o laboratório oficial cumpre sua missão de promover acesso a uma saúde de qualidade a baixo custo, pois a junção dos dois anti-retrovirais numa mesma fórmula farmacêutica beneficia os portadores do vírus HIV com redução de custos, dosagem e reações adversas.

Na categoria Grande Empresa, o Lafepe concorreu com a Unitech Tecnologia de Informação Ltda, da Bahia, e Usina Estivas S/A, do Rio Grande do Norte. Com o projeto "A Pesquisa e o Desenvolvimento dentro de um Laboratório Oficial do Brasil: Lafepe", a estatal recebeu a segunda premiação da noite.

O evento, promovido pela Financiadora de Estudos e Projetos, órgão vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, aconteceu na Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe) e contou com a presença do ministro da Ciência e Tecnologia, Eduardo Campos, e do secretário de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente do Estado, Cláudio Marinho.

Modernidade - Os troféus, com alusão a um caleidoscópio simbolizando as transformações geradas pelo processo inovador, foram entregues ao diretor técnico industrial do Lafepe, professor Pedro Rolim. "Foram 38 anos de luta. Mas hoje o Lafepe é uma empresa moderna, do século XXI, com responsabilidade social, que acompanha os avanços farmacêuticos mundiais e vem se consolidando na área de pesquisa e desenvolvimento. E isso se deve a todos seus diretores e funcionários".

O diretor enfatizou a importância da "parceria da academia com a indústria", no caso a Universidade Federal de Pernambuco, aliada ao Lafepe no projeto de desenvolvimento dos anti-retrovirais. "Esse link com as universidades promove bons resultados nas pesquisas realizadas", ratificou Pedro Rolim. Ao receber o Prêmio Finep, o Lafepe comprova seu objetivo de investir na busca da inovação tecnológica, com o desenvolvimento de novos produtos e processos a fim de participar do crescimento econômico do País. No evento, o laboratório recebeu o selo de qualificação da instituição federal.

O prêmio - que na primeira edição, em 1998, recebeu 25 inscrições - bateu recorde neste ano, ao contabilizar 508 projetos, 81 somente no Nordeste. A Finep define como inovações, implantações de produtos e processos novos, acompanhadas de avanços tecnológicos e que estejam introduzidas no mercado ou em processo de produção.