Garanhuns, 9 de outubro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

Garanhuns perde Graciete Branco

Morreu na sexta-feira, oito de outubro, a garanhuense por adoção Graciete Gueiros Branco, descendente de duas tradicionais famílias da cidade. Ela tinha 96 anos de idade e embora nunca tenha se casado participou durante toda a vida do movimento social da Suíça Pernambucana.

Graciete era irmã do ex-deputado Elpídio Branco, que por muitos anos representou Garanhuns na Assembléia Legislativa. Outro irmão seu, o agropecuarista Luiz de Noronha Branco, foi candidato à prefeitura do município no final dos anos 50. Ela era tia do respeitado médico Joaquim Branco, que atua na capital pernambucana.

Em artigo publicado no jornal O Monitor, quando da passagem dos 90 anos de Graciete Branco, o jornalista Marcílio Luna traçou um belo perfil da velha senhora. "É com alegria que registro o aniversário de uma garanhuense autêntica, mesmo sendo por adoção, já que ela nasceu em Alagoas. Trata-se de Graciete Gueiros Branco que chega aos 90 anos de idade, com uma vida totalmente dedicada à Suíça Pernambucana, seja como grande líder política, animadora cultural, promotora de eventos, estilista e dona de um coração imenso, desses em que cabe todo mundo, principalmente se for garanhuense", registrou o articulista.

"Lembro de Graciete, eu ainda era jovem, e ela sempre promovendo coisas: comícios (primeiro para a UDN e depois para o PSD), memoráveis campanha políticas, inclusive a do brigadeiro Eduardo Gomes, candidato à presidência da República, que infelizmente faltou à sua festa na casa de Abdias Branco, inúmeras festas na AGA, e no Sport Clube Garanhuns, concursos de Miss Pernambuco (era ela quem preparava nossas candidatas ao título) e participações de Garanhuns no Campeonato das Cidades, na TV Jornal do Commercio", complementou Marcílio Luna.

No final, o jornalista lembra que "Graciete sempre foi inigualável em tudo. As suas quadrilhas juninas eram as mais bem organizadas e animadas. Em tudo que houvesse o dedo de Graciete podia-se afirmar com segurança: o sucesso estava garantido, inclusive em festas de 15 anos. Fazia de tudo: decoração, mesas, comestíveis e ainda mais preparava as meninas, bem como noivas e aniversariantes. Dia 21 último, uma quinta-feira, no restaurante O Chalé, a festa foi sua. Envio um abraço para a eterna 'primeira dama' de Garanhuns, embora ela nunca tenha sido casada".