Garanhuns, 25 de setembro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Diversão
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
DIVERSÃO
 

Resident Evil 2: Apocalypse

O primeiro Resident Evil, de 2002, já havia decepcionado muitos fãs, principalmente por não ser fiel à risca do game que o originou. Resdient Evil 2, no entanto, só consegue agradar mesmo aos fãs dos jogos de videogame. O filme é um frenético jogo de gato e rato, onde Milla Jovovich está o temp inteiro correndo de zumbis famintos e - pasmem! - extremamemente velozes.

O roteiro desconexo destroça toda a trama de suspense construído com cuidado pelos games, como "Resident Evil 2", "Resident Evil 3: Nemesis" e "Resident Evil: Code Veronica". O que dizer da cena mais clichê do ano, onde zumbis levantam-se de tumbas de um cemetério?! O filme só vale mesmo pela adaptação do personagem Nemesis, o monstrengo mutante à caça da elite policial S.T.A.R.S., idêntico ao game (a bazuca que ele carrega e a maneira como fala "S.T.A.R.S." é de arrepiar qualquer um que já tenha jogado Resident!); pela caracterização da agente da S.T.A.R.S Jil Valentine, também de uma fidelidade incrível; e pela estória se passar em Racoon City, a cidade infectada pelo vírus-zumbi, lembrando parte dos cenários e aventuras jogados no terceiro game da série.Fora isso, "Resident Evil 2: Apocalypse" é chato, malfeito e revoltante, por sabermos que uma droga desse quilate gastou toneladas de dinheiro em efeitos especiais mixurucas e mesmo assim ainda conseguiu o primeiro lugar nas bilheterias americanas. Realmente, Resident Evil 2 é o apocalipse na Terra.