Garanhuns, 11 de setembro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Campanha eleitoral começa a radicalizar

Núbia Kênia


Há menos de 30 dias das eleições municipais, a campanha eleitoral de Garanhuns começa a ficar acirrada. De um lado o candidato Bartolomeu Quidute (PDT) e do outro o candidato Luiz Carlos de Oliveira (PMDB) devem polarizar a disputa e conseguir a maioria da preferência do eleitorado. E como não poderia deixar de ser, a campanha eleitoral que começou neutra entre os dois candidatos começar a ficar "quente" com a apresentação de denúncias e ataques nos mini-comícios realizados pelos bairros e até no guia eleitoral de rádio.

Um dessas denúncias partiu da funcionária pública municipal Maria Jailda de Albuquerque Anjos, mais conhecida por "Cobrinha", que acusa o prefeito Silvino Duarte de perseguidor, pelo fato dela apoiar a candidatura de Dr. Bartolomeu, principal adversário de Luiz Carlos apoiado pelo prefeito.

"Cobrinha" relata que ao chegar para trabalhar no último dia 02, foi surpreendida por um comunicado que informava que estava sendo tirada dela a gratificação de R$ 120,00 mensais, a qual tinha direito através da portaria 154/2001 GP. "Com essa gratificação, eu pagava um empréstimo que tinha na Caixa Econômica, e outras despesas. O prefeito me persegue porque meu candidato a prefeito é Bartolomeu Quidute, e não o candidato dele. Até o cabelo pintei de vermelho para demonstrar meu apoio a "Bartó", todo mundo sabe disso. Ele só fez isso porque não estou ao lado dele. Isso é perseguição política e abuso de autoridade", acusa.

A funcionária lotada na Secretaria Municipal de Saúde, há 18 anos, explica ainda que questionou a secretária de Saúde, Dra. Sueli Lima, o motivo, mas ninguém disse nada. Então, resolveu ir a Ronda Policial, da Rádio Jornal do Commercio, para revelar a população a conduta do prefeito, que ainda segundo ela, há 8 anos não dá aumento ao funcionário. "Silvino é muito perseguidor. Daqui pro final dessa campanha, outros casos iguais aos meus ainda vão acontecer", declara.

O mesmo aconteceu com Geovane Laurentino de Lima, também servidor público da Prefeitura Municipal, há 8 anos. Ele conta que tinha a mesma produtividade que "Cobrinha", e que receberam juntos o comunicado que deixariam de receber os R$ 120,00. "Dissemos que era perseguição porque não estávamos apoiando o candidato do prefeito. A secretária disse que o prefeito Silvino Duarte só tinha mandado entregar a portaria e que não podia se pronunciar em nada", descreve Geovane.

Além disso, Geovane afirma que essa não é a primeira vez que fatos como esse acontecem com ele. "Quando Silvino Duarte traiu Dr. Bartolomeu e ganhou o primeiro mandato, há 8 anos, ele me perseguiu, tentando abrir um inquérito administrativo, para me colocar pra fora da prefeitura, sem nenhuma alegação, só porque eu apoiava Bartolomeu. De outra vez, passei 10 meses encostado na Secretaria de Administração, e depois o prefeito ficou me relocando de secretaria em secretaria. E ainda tive que pagar uma multa de trânsito no valor de R$ 191,53, coisa que não foi feito com outros motoristas da prefeitura" denuncia.
COORDENADORES - O médico Alcindo Menezes, coordenador do projeto de governo junto com Alfredo Góis da campanha eleitoral de Bartolomeu Quidute, diz que os ataques são naturais nessa reta final da campanha. "É normal que ocorra um certo acirramento no que diz respeito a discussão, não só das propostas, mais também da apresentação dos fatores negativos que os adversários tem. Não se trata de acusação, de revanchismo, e de perseguição. É apenas a constatação de que nós temos propostas e de que o adversário tem seus defeitos e incoerências, ou seja, situações nas quais ele não consegue justificar ou explicar todas as posições, e isso precisa ser mostrado para que o eleitor, principalmente o indeciso, possa tomar uma decisão de sã consciência e conhecimento dos fatos", esclarece Dr. Alcindo.

O coordenador destaca também que a linha mestra da campanha do candidato petebista é apresentar propostas, mas não pode se furtar a apresentar as deficiências que o adversário tem, para que o eleitorado possa ter o melhor análise da situação.

Já um dos coorde-nadores da campanha de Luiz Carlos de Oliveira, o bancário aposentado Marcos Régis, afirma que não está havendo ataques em nenhum dos adversários, e sim vice versa. E que estes estão ocorrendo porque, de acordo com pesquisas de opinião, cujos índices não podem ser divulgados porque não foram registradas no TER, Luiz Carlos de Oliveira está na frente da disputa política em Garanhuns com uma boa margem, e por isso o principal concorrente, Bartolomeu Quidute, começou a haver esses ataques. "Estamos trabalhando nossa campanha em cima de propostas para nossa cidade, nossa população, e não em cima de ataques pessoais como vem acontecendo, tanto em cima do prefeito Silvino Duarte com também do candidato Luiz Carlos. Vamos continuar sem atacar nenhum dos adversários até o final da campanha", conclui Marcos.