Garanhuns, 11 de setembro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
DIVERSÃO
 

Dramas nas locadoras

Dois dos principais lançamentos cinemato-gráficos de 2004 acabam de chegar às locadoras. "Cold Moutain" é um drama ambientado nos Estados Unidos da época da Guerra Civil, feito com capricho pelo direotr Anthony Minghella para entregá-lo à premiação do Oscar. A produção cenográfica, os figurinos de época e as cenas de batalha impressionam, mas é o elenco estelar que chama a atenção; dentre os atores, Nicole Kidman, Jude Law e Renée Zellweger. A preocupação excessiva do diretor em arrecadar o maior número de estatuetas douradas priorizou apenas a estética e a estória cansativa do par romântico central, desgastando a obra e relegando inúmeros personagens interessantes a segundo plano. Afpra estes deslizes, "Cold Moutain" é tocante, visualmente esplendoroso e agradável em sua composição. Filmaço dos bons, pra fazer muita gente abusar dos lenços de papel. Outro lançamento é o polêmico "A Paixão de Cristo", de Mel Gibson. O ator, em mais uma incursão como diretor em Hollywood, é um católico fervoroso e resolveu focar toda a vida de Jesus Cristo exatamente no epílogo, em suas últimas horas na Terra. E, segundo Gibson, são os últimos passos de Jesus, até sua execução, que sintetizam e melhor transmitem sua vinda à Terra e sua mensagem.

A ambientação do Oriente-Médio da época de Cristo é verossímel e representa um dos pontos altos do filme. Optar por filmar com línguas esquecidas como o aramaico, latim e hebraico - idiomas falados durante o período - não só ajuda a compor o mosaico histórico e político do Império Romano e suas relações com as regiões subordinadas, mas também aumenta o impacto da existência de um Cristo humano, próximo aos terrenos e distanciado de figurativas e maniqueístas narrativas. Muito embora Gibson transpareça maniqueísmo extremo nas seqüências da execução de Jesus. São cenas fortes, cruas e violentíssimas. Se o objetivo era converter o espectador, Gibson consegue pelo menos algo bem próximo: rendê-lo pela emoção.